sábado, 17 de dezembro de 2011

O que mudou nos últimos 50 anos em Niterói?

O JB online oferece matéria sobre a enorme tragédia do Gran Circo em Niterói há exatos 50 anos atrás.
http://www.jb.com.br/rio/noticias/2011/12/17/incendio-no-gran-circo-em-niteroi-completa-50-anos-relembre/
O blog Desabafos Niteroienses vem convidar seus leitores a refletir. 
O que mudou em Niterói nos últimos 50 anos?
Qual a capacidade da cidade em atender situações de emergência e equacionar possíveis situações de catástrofes?
Como anda a situação do trânsito em uma emergência, onde muitas pessoas precisem de escape emergencial?
Como anda os sistemas de alertas da população em caso de grandes chuvas, por exemplo, orientação para escape e acomodação emergencial da população?
Esperamos não ter mais nenhum grande incêndio para lembrar.. nenhum outro desabamento como o do Morro do Bumba em abril 2010.. mas, e se tivermos?.. 
Quais são as políticas públicas no sentido de alertar, atender e remover cidadãos em situação de tragédia?!
Vale refletirmos.. afinal, as eleições vem aí...

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Jaime Lerner – O novo* e caro factóide de Jorge Roberto Silveira


Paulo Eduardo Gomes
** 
(*este texto, embora de maio 2009, é absolutamente atual)
Ao anunciar com pompa a contratação, sem licitação, do arquiteto mágico Jaime Lerner, o prefeito consegue a proeza de agredir ao mesmo tempo os arquitetos e urbanistas da cidade, como também a memória da nossa população.
Com frase de efeito de gosto duvidoso espalha pela imprensa amestrada e acrítica da boa terra: “Chega do trânsito da cidade ser tratado por amadores. Agora será tratado por profissionais”! Será? A resposta é desenganadamente não.
A relação do arquiteto curitibano com o nosso estado e a nossa cidade remonta a 1975 durante o governo de Faria Lima, nomeado por Geisel, em que foi escolhido para presidir a Fundação para o Desenvolvimento da Região Metropolitana – FUNDREM, período em que conviveu com o também nomeado prefeito de Niterói Ronaldo Fabrício (1975-1977). Seus planos, na ocasião, não sairam do papel. Alguns anos depois o então Prefeito Moreira Franco (1977-1983) o contrata para propor soluções urbanísticas para a cidade. Deste contrato não restou um tijolo ou ferro em pé para contar a história, visto que a única obra realizada, os terminais de ônibus Zona Sul e Zona ao longo da Avenida Rio Branco, construídos com ferro e caríssimos vidros especiais (Curitiba não tem maresia) foram mandados destruir a mando do ex-Prefeito Jorge Roberto Silveira, através do seu Secretário de Urbanismo, o arquiteto e urbanista ex-Prefeito João Sampaio, que em seu lugar construiu o Terminal João Goulart. Tal terminal, diga-se de passagem por uma questão de justiça, com projeto premiado, é, infelizmente, o único da cidade e este é o nosso principal problema para a reorganização dos transportes coletivos em nossa cidade.
Que amadores, portanto, o Prefeito Jorge Roberto se referiu? Os arquitetos João Sampaio, Adyr Mota, Rosane Monteiro e Dayse Monassa, o advogado Ademar Reis, o engenheiro Sérgio Marcolini e demais técnicos da Prefeitura?
Ou estaria se referindo, ainda, ao engenheiro Wiliam de Aquino e toda a sua equipe da empresa SINERGIA que, desde os primeiros anos de Jorge Roberto na Prefeitura (1991-1992), assessora o governo, de Godofredo, inclusive, na busca de soluções para a mobilidade urbana na cidade, que está testemunhando o caos no trânsito há muitos anos? Tal retórica ilusionista, de fato, não convence a ninguém.
Na verdade, Jorge Roberto, no atual governo busca fugir da responsabilidade em relação às sementes que plantou desde a sua primeira passagem pela Prefeitura. Com sua campanha eleitoral à Prefeitura em 1988 financiada por setores representativos da construção civil e do empresariado de transportes coletivos da cidade, Jorge se aliou à tese do
desenvolvimento urbano irresponsável e inconsequente da cidade, visto que não acompanhado do indispensável desenvolvimento da infra-estrutura de suporte à mobilidade urbana, conforme denunciamos à população em nossas campanhas à Prefeitura em 1996 (PT) e 2008 (PSOL). Centenas de casas foram e são derrubadas, até hoje, e transformadas em enormes edifícios. Bom para o IPTU, péssimo para o trânsito. Planos, no papel, sempre existiram.
João Sampaio (1993-1996) elaborou o Plano Integrado de Transporte e Trânsito – PITT e o entregou ao seu sucessor, Jorge Roberto, que o engavetou, já em 1997, porque feria interesses do empresariado de transportes coletivos porque pressupunha a reorganização das linhas de ônibus da cidade, hierarquizando-as em linhas de alimentação de terminais
de transbordo e de entroncamento entre o terminal João Goulart e estes terminais a serem construídos. Tal sistema repartia o bolo desta atividade econômica e os empresários concessionários das linhas mais rentáveis enterraram o projeto. Depois, em 2001 e 2003, o PITT foi atualizado e se transformou no Plano Diretor de Transportes e Trânsito –
PDTT, com as mesmas premissas conceituais e objeto de pedido de financiamento ao Banco Mundial durante o governo de Godofredo Pinto. O conteúdo do PDTT pode ser encontrado, já que desapareceu do atual sítio na Prefeitura na Internet, no sítio do Vereador Renatinho (www.renatinho.org), do Deputado Estadual Marcelo Freixo
(www.marcelofreixo.com.br) ou do PSOL Estadual (www.psol.rj.org.br). É um boa leitura para os preocupados com os problemas da cidade e os céticos.
O que pode, afinal de contas, nos oferecer Jaime Lerner em troca dos R$ 630 mil que tentará levar do nosso tesouro municipal às custas dos impostos pagos pelo povo de Niterói? O futuro imediato nos dirá. De nossa parte, amadores ou não, opino que muito pouco ou quase nada, comparado ao que já foi proposto pela SINERGIA, ao que
poderia e já contribui o Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB Niterói, a Universidade Federal Fluminense, a Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia – COPPE da UFRJ, dos quais, sem licitação, Jaime Lerner com seu prefeito amigo abocanhou este contrato em mais uma aventura remunerada em Niterói.
Jorge Roberto provavelmente estava em Paris ou Miami quando, na Revista ISTO É de 13 de agosto de 2007, Jaime Lerner concedeu entrevista para falar sobre política e políticas públicas para o desenvolvimento urbano das cidades. Neste entrevista, que também pode ser encontrada na íntegra nos sítios já mencionados, abordando os problemas de congestionamento no trânsito da cidade de São Paulo e mais especificamente no gargalo existente entre a cidade e seus dois aeroportos. Ele afirma: “Para desafogar Congonhas, por exemplo, ele propõe a criação de terminais remotos, nos quais o passageiro faria o check-in longe do aeroporto e se deslocaria até ele em ônibus circulando por vias exclusivas para embarcar em seu avião”. O ideal, segundo ele, seria a ligação por trem entre os dois aeroportos e propõe “Enquanto não vem o trem, pode-se implantar facilmente linhas diretas de ônibus em corredores exclusivos, como eu fiz em Curitiba. Essa centralização da operação toda num único ponto não tem sentido”. Como pode se depreender, fazendo-se a adequada analogia ao nosso sistema viário e a organização do nosso sistema público de transporte coletivo de massas, tal qual as redes de distribuição de energia elétrica e de
telecomunicações, exige-se pensar que, “enquanto o VLT não chega a Niterói”, há que se tirar do papel tudo aquilo que foi projetado, e já pago, pelo PITT e PDTT.
Desde torre de 60 metros de altura no Caminho Niemeyer, passando por Jaime Lerner, chega de factóide porque o povo tem pressa e paciência e confiança tem limite.

** Paulo Eduardo Gomes, 58 anos, é engenheiro militante do PSOL. Foi Vereador de 2001 a 2008 e candidato a Prefeito pelo PSOL em 2008.

Agetransp é cabide de emprego por @Marcelo Freixo.

“O sistema de transporte no Rio é tão ruim que até pedalinho está afundando. O negócio está sério. (…) Hoje (14/12) a fila das barcas de Niterói para cá era imensa. Hoje, no dia em que estamos aqui debatendo subsídio e aumento da tarifa, a população estava sendo castigada numa praça que fica a 200 metros daqui. É de um nível de insensibilidade atroz”, disse Marcelo Freixo ao denunciar que a Agetransp (Agência Reguladora de Serviços de Transportes Concedidos), além de ser uma agência de cabide de empregos dos aliados políticos da Alerj, ainda trabalha para aumentar o lucro das empresas de transportes. Leia abaixo:
“Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, o sistema de transporte no Rio é tão ruim que até pedalinho está afundando. O negócio está sério.
Sr. Presidente, eu acho curioso porque, quando o líder do Governo usa uma informação – ser líder do Governo significa ser citado muitas vezes, não se incomode – mas quando o líder o Governo diz que, em qualquer lugar do mundo, o sistema de transporte é subsidiado, pode ser verdade em boa parte, mas deveria complementar a informação, Deputado, porque em qualquer lugar do mundo esse sistema subsidiado tem um nível de transparência que esse subsídio não é questionado, o que não acontece no sistema de transporte do Rio de Janeiro. E V.Exa. há de concordar.
Então, o grande debate não é – e aí há um equívoco, e eu quero falar isso fraternalmente - o grande debate não é se tem ou não tem o subsídio, a barbaridade que a população está indignada; seria interessante que fizéssemos esse debate na Praça XV. Não sei quem sairia vivo, mas seria uma boa experiência fazermos esse debate na Praça XV, para ver como seríamos tratados naquela praça ali, provavelmente teríamos que atravessar a nado, mas a proposta é boa, eu vou fazer uma Emenda. Agora, Deputado, o grande debate é subsidiar essa porcaria! Essa é a questão. Eu poderia até fazer o debate do subsídio, mas tem algo que precede, é que não tem transparência.
A lógica e a determinação da empresa para justificar o valor é feita em cima de um estudo FGV, que claramente é irreal, claramente superdimensionou o número de passageiros, tanto é que está inscrito para falar sabe que a Universidade Federal do Rio de Janeiro fez um outro estudo e chegou a resultados completamente diferentes. Então, tem fraude atrás de fraude e é isso que o Governo está se propondo subsidiar, Deputado. O debate não é se tem ou não, o debate é a transparência que inexiste. Foi feita uma CPI aqui que não conseguiu chegar aos dados concretos de uma concessão, é uma concessão!
Então, é uma vergonha imaginar! Hoje, Deputado André Corrêa, hoje a fila das barcas de Niterói para cá era imensa. Hoje, no dia em que estamos aqui debatendo - o Deputado Comte Bittencourt sabe disso - subsídio e aumento da tarifa, a população estava sendo castigada numa praça que fica a 200 metros daqui. Pelo amor de Deus, é de um nível de insensibilidade atroz o que está acontecendo aqui! Como é que nós vamos votar favoravelmente?
Quer dizer, é o vale trombada, né? A cada acidente aumenta a passagem, a cada acidente é um benefício a mais. É o vale trombada que estamos aqui aprovando. Então, acabou de ter um acidente que não tem transparência nenhuma, os passageiros são maltratados, o maior investimento que Barcas fez foi contratar seguranças, sabem disso! O investimento mais visível, até porque os caras são grandes, o investimento mais visível é em segurança, para deter a população indignada sistematicamente. E nós vamos aprovar aqui que esse serviço de péssima qualidade, que tinha que ter o seu contrato cassado, vai aumentar o valor, baseado numa fraude, que é o relatório da FGV, e além disso, vai ter subsídio do Estado . O que é isso? Isso é vergonhoso!
Em qualquer lugar do mundo, Deputado, em que há o subsídio, esse Secretário de Transportes estava preso, não estava demitido, não. Em qualquer lugar do mundo que o Estado subsidia o transporte, o Secretário de Transportes não seria esse que nós temos: covarde, irresponsável, inconsequente, incompetente. É essa a Secretaria que estamos subsidiando.
Então, é inaceitável que se faça isso, é um desrespeito à população. Eu estou apresentando Emendas, e aí quero ser muito honesto, Deputado Gilberto Palmares e Deputado André Corrêa. Antes de qualquer coisa, tem uma Emenda que eu estou apresentando, depois nós vamos levar até Emenda por Emenda, não tenho dúvida disso, as Barcas, lá na Praça XV o debate. Agora, vincula o recebimento de subsídios do Estado à comprovação do desequilíbrio econômico de suas operações, mediante auditoria realizada por universidade pública sediada no Rio de Janeiro.
Vamos ver se a Barcas S/A topa isso? Vamos fazer uma auditoria por uma universidade pública, independente, para comprovar o desequilíbrio econômico. Vamos ver se há desequilíbrio econômico para, depois, debater qualquer tipo de subsídio, ou não.
E, mais do que isso: o Governador nessa Mensagem está dizendo que vai determinar o aumento da passagem por decreto. Eu acho que não. Tem que apresentar Mensagem e deve vir para cá debater. Não podemos abrir mão da responsabilidade de que isso venha como Mensagem para que também debatemos esse instrumento. Ou vamos dar um cheque em branco aqui?
Olha, faz o subsídio, Governador, e aumenta por decreto o que você quiser, negocia com o dono da Viação 1001. É isso o vamos fazer aqui? É a isso que os Deputados são favoráveis? Vamos ter dificuldade de passar na Praça XV. Cuidado, eu estou avisando.
Para concluir, Sr. Presidente, o Deputado Wagner Montes toca num ponto decisivo sobre esse debate de transporte, em toda crítica ao Governo, que é nitidamente subserviente ao interesse privado das Barcas S/A. Essa Mensagem é uma vergonha para o Legislativo. É uma vergonha! É vergonhoso olharmos o que a população de Niterói está passando diante das Barcas S/A e votarmos essa passagem, de um péssimo serviço, tem que aumentar, e aumentar ainda com o dinheiro público gasto ali sem nenhuma cobrança sobre a empresa. Isso é inimaginável!
Mas, para piorar, temos do outro lado a Agetransp, que é uma agência de cabide de empregos, de aliados políticos desta Casa, de uma incompetência absurda.
A Agetransp é formada por alguns cidadãos como o Sr. Luiz Antônio, que foi Subsecretário de Fazenda do governo anterior; do Sr. João Carlos, ex-marido da ex-Deputada Aparecida Gama; Francisco José Reis, ex-assessor desta Casa; Maurício Agneli, foi Secretário Geral do Fórum Permanente desta Casa e Herval Barbosa, ex-assessor do Sr. Edmilson Valentim. Todos vinculados a grandes esquemas políticos de indicação política. Um bando de incompetentes que não têm um pingo de independência, que não fiscalizam, e saibam a solução que eles encontraram esta semana: a Agetransp votou na sua reunião o aumento da passagem dos trens. Se não sabem, fiquem sabendo. Esta semana votaram o aumento da passagem dos trens.
Então, quanto pior é o sistema de transportes, mais a Agetransp fornece a possibilidade de lucro para essas empresas. É uma vergonha!
Eu espero que o Parlamento não se iguale à Agetransp. Já temos responsabilidade sobre quem votou, não foi o meu caso, mas quem votou nessas pessoas para estarem lá, porque não foi por sua competência, mas pelo seu braço político, que não leva a independência do cargo que ocupa.
Sr. Presidente, espero que consigamos dar a resposta pensando na população e não nos espúrios acordos políticos, que muitas vezes acontecem entre essas paredes.
Obrigado”.
*Marcelo Freixo – pronunciamento no plenário da Alerj, em 14/12/11

Ocupa Niterói - dia 10!! Agenda e fotos

Agenda da semana de 16 a 18 dez
Sexta(16/12) : 8h -> Roda de Dança
Durante a tarde-> Visita aos abrigos no centro da cidade
19h -> Apresentação do Circo Akrata

Sábado(17/12) : 9h -> Mutirão para a construção da nova sede do Ocupa
20h -> Cineclube: Filme "Prévia do Amanhã"

Domingo(18/12): Toda Assembléia de domingo será às 19h, e nessa Assembléia será decidida a Agenda da Semana inteira seguinte. Podendo durante a semana, encaixar coisas.

Cheguem junto!!! Quem puder, participe. Somos um todo e um coletivo, que só funciona com todos juntos.
 

 

 

Atenção simpatizantes do trabalho do Vereador Leonardo Giordano:

Recebido de leitor:
"Atenção simpatizantes do trabalho do Vereador Leonardo Giordano:

Corre à boca miúda, a notícia não oficial de que o Vereador licenciado André Diniz, vai retornar à CMN*, assumindo o lugar de Leonardo Giordano, que é suplente. Há 10 meses do final do mandato, parece que o André Diniz, volta com a função de desarticular a oposição ao Governo Jorge. O que se diz é que André Diniz é da turma de Godofredo e uma vez que Leonardo Giordano não desejava apoiar Chico D’Angelo, contra Rodrigo Neves, vai ser limado da CMN.

Uma das coisas importantes é que com isso, cai a liderança da bancada PTista que atualmente é o Waldeck Carneiro e neutraliza-se Leonardo Giordano, ou seja, com isso a oposição à JRS fica reduzida a 1/3 com Renatinho do PSol, embora o Waldeck continue como vereador, ele passa a ser minoria na bancada. Estamos realmente mal com essa situação. Vitor Junior como líder da bancada PTista, André Diniz apoiando a falcatrua, sem projeto e sem afeto pela função, voltando apenas para desarticular os companheiros que são rivais nas facções internas do PT. Uma gente sem comprometimento e sem caráter.

O boato ganha mais força com a interpelação pública do Vereador Leonardo Giordano como é possível ver em:

https://www.facebook.com/AndreDiniiz?sk=wall

O Vereador licenciado ainda não o respondeu! Vamos ver qual será o conteúdo dessa resposta, se eles continuarem a dialogar publicamente. É preciso pensarmos por que uma pessoa tão sem afeto pela função de vereador, resolve voltar? Terá algo a ver forçosamente com os dirigentes do partido que resolveram apoiar JRS ou uma candidatura pro-forma em torno de Chico D’Angelo? Vamos acompanhar!!! Podemos inclusive fazer um abaixo assinado pedindo a manutenção do Giordano na CMN* e que André Diniz permaneça no MinC, na secretaria e onde for, bem longe daqui já que não tem mais empatia com nada [Volta pro mar, oferenda!!!]."
*CMN - Câmara Municipal de Niterói

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Ditadura? Esse nome é mais atual do que deveria..

Muito interessante - e triste ao mesmo tempo - percebermos o quanto a ditadura ainda - ou até, para os que não a viveram à época! - faz parte de nós...
Presente à tentativa de entrada na reunião ordinária do compur dia 12, a princípio impedida, sabe deus por quê!!, me deparo com algumas situações aparentemente 'normais', numa primeira mirada, mas depois, poeira acalmada, vieram algumas reflexões.
Como quando cheguei já havia uma pequena multidão na escadaria, não tive oportunidade de presenciar o evento 'impedimento' desde seu início, mas.. 

A primeira questão é: em que momento, em que circunstância, a entrada das pessoas foi barrada? Sob que alegação?
Porque se estamos - pelo menos teoricamente - vivendo em uma democracia, onde o direito de ir e vir deveria ser assegurado pelas 'autoridades', por que alguém pode pensar na hipótese de barrar o acesso da população a uma reunião que É pública?!

Houve algum tipo de barbárie? alguém apedrejou algo? Alguém cuspiu em alguém, quebraram vidraças, jogaram cadeiras pelas janelas?! alguém deu algum tiro?? Alguém tava armado?! Da população não...
Portanto nada disso acontecia.
A informação que tenho de quem estava lá desde mais cedo é a de que não havia nada além de um grupo de pessoas querendo entrar numa reunião pública. Apenas.


Quando cheguei umas 19:20, havia um grupo diante da escadaria e as portas controladas por funcionários e guardas da prefeitura. Havia dois rapazes no alto da escada segurando um cartaz feito em cartolina. Só. E o burburinho que corria é que não poderíamos entrar..
Liga pra um, liga pra outro, faz um abaixo assinado para encaminhar ao ministério público, liga-não-liga-já pro ministério público e.. aparece na porta um funcionário avisando que os conselheiros entrariam primeiro e 'eles' - funcionários - poderiam liberar a entrada de 10 pessoas, 'está bom?', pergunta. A grita é de 'não, não', o que aumenta o tumulto, provocado pela própria prefeitura que não deixa o grupo entrar na reunião que é pública!! Parece piada, não fosse vergonhoso.
Em seguida um jovem traz notícias lá de dentro. E diz que havia acordado - como acordado?! - que poderíamos entrar todos "desde que garantido que não haveria quebradeira, nem confusão, nem nada parecido"...
O secretário de interesse social - é esse o nome da secretaria?! - vem mediar o absurdo imposto pela prefeitura pedindo calma e avisando que no grito ele também sabe fazer.. ou seja, são tantas as idiossincrasias, são tantos os absurdos presenciados em tão breves 40 minutos..
Enfim o acordo é firmado.
Na hora era tudo normal. Embora constrangedor. O acordo, a fila organizada, afinal havíamos 'conseguido' o óbvio ululante: entrar na reunião pública, todos. Ainda que tivessemos que subir em grupos de 10, escoltados por um guarda no elevador. Fora os guardas todos na porta da sala onde haveria a reunião. 
Mas depois pensando: que acordo era necessário para entrar em uma reunião pública?? quem eram os vândalos presentes?..

A ditadura parece que permeia os atos dos que a impõe, ou tentam impor, e assim também dos que a 'sofrem' pois parecem 'aceitar' aquela situação toda, aquele constrangimento como 'normal', ainda que tivessem gritos, apelos, tumulto, revolta..
Parecia haver um acordo tácito onde todos sabíamos que estávamos vivendo uma ditadura, não importava o lado que estivessemos, nem a idade ou vivencia. O status quo era de repressão. E ninguém acordou disso e falou: pára com isso!
Foi tudo provocado pelos funcionários da prefeitura, ainda que em sua ignorância, e medo. Caso contrário, estariam todos lá, no nono andar, sentados no auditório aguardando a reunião começar. Posso apostar!


A prefeitura recuou no sábado, supostamente devido ao enorme movimento que houve na internet e redes sociais sobre o escândaloso projeto de lei para o 'novo centro expandido'.
Essa é a novidade.
A convocação era feita pela internet e eram respondidas e apoiadas com muitas manifestações de protestos. A população dizia que ia comparecer à reunião.
Será que a prefeitura estava tão ciente do nivel de absurdo proposto pelos bois de piranha da secretaria de planejamento que temeu um motim? que temeu um ato de violência por parte da população sempre tão acomodada? calma prefeito, tua batata tá assando sim. Até nos restaurantes sua presença instiga o mal estar dos cidadãos que já ultrapassam os limites do convívio e reagem além da etiqueta, do que seria considerado fino, ou educado.. Prefeito, a população tá acordando. A população tá começando a se dar conta que a prefeitura ultrapassou qualquer limite possível.
As eleições estão aí..

Cynthia Gorham

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

'Empregados' tentam impedir entrada dos 'patrões' no COMPUR em Niterói

Os empregados constrangendo a entrada dos patrões! Afinal quem paga ali todos os salários é a população e a reunião do Conselho é pública!!..
Revival de aprovação do PUR-PB na Câmara de Niterói em 2002?!
A reunião do Conselho Municipal de Política Urbana que aconteceu hoje no auditório da Prefeitura de Niterói teve a entrada da população tumultuada. Apenas os conselheiros tinham entrada liberada.
Houve constrangimento da população, que por uns 40 minutos ficou na porta da Prefeitura tentando entrar no prédio e só depois de muita negociação conseguiu subir ao nono andar. 

O espírito da ditadura é tão presente na administração pública que impedem a população de entrar em uma reunião pública e fazem 'concessões' esquecendo que a casa É do povo, que é O patrão!! E que o Compur é - ou pelo menos deveria ser na mente dos dirigentes - aberto à população!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Fazem um escarcéu desnecessário..
                 

vídeo 2 http://youtu.be/HoC9GYuLvBU

vídeo 3 http://youtu.be/tDq6FFwgamQ 
vídeo 4 http://youtu.be/KmZ5j6-6IGc
vídeo 5 http://youtu.be/QhlcI-WbuPg
vídeo 6 http://youtu.be/-ghj5Pl5f9c
Um abaixo assinado foi feito para ser encaminhado ao Ministério Público, e em seguida a população entrou. De 10 em 10 e acompanhados por policial no elevador! Constrangimento total!
  
Manifesto lido por integrante do movimento Ocupa Niterói: 
vídeo 8 Fala Rafael http://youtu.be/NvYMUKywgyc
Manifesto "Por uma cidade para Todos"
Entendemos que em uma economia capitalista, a terra torna-se mercadoria, cuja finalidade é a obtenção de lucro. A concentração das terras urbanas nas mãos de pouquíssimas empresas, em contraposição à massa que não possui moradia própria, seria inadmissível em uma sociedade realmente democrática. O papel do Estado é garantir que a competição desumana do livre mercado não prive parte da população de seus direitos básicos e que a cidade evolua de forma coerente e ordenada.
O que vemos, no entanto, é uma associação perversa de interesses privados manipulando descaradamente os recursos públicos. Os investimentos da prefeitura estão claramente associados aos interesses da expansão do mercado imobiliário e as leis são alteradas para permitir um crescimento completamente incompatível com a estrutura da cidade e o desejo de seus moradores. Niterói simplesmente não suportará os mais de 200 novos empreendimentos imobiliários que serão inaugurados entre 2012 e 2013. O trânsito não suportará os 50 mil novos veículos.
A CIDADE NÃO É UMA EMPRESA. O ESTADO NÃO PODE SER UMA AGÊNCIA DOS INTERESSES DAS GRANDES EMPRESAS! NÓS NÃO QUEREMOS ESTE MODELO ESTÚPIDO DE CRESCIMENTO, QUE EXPULSA OS POBRES E TRATA APENAS DA IMAGEM DA CIDADE. BASTA DE CRESCER PARA DEPOIS DIVIDIR! QUEREMOS UM GOVERNO QUE ATUE PARA O BEM DA COLETIVIDADE E NÃO PARA A CONCENTRAÇÃO DA RIQUEZA NAS MÃOS DE POUCOS! BASTA DE REUNIÕES ESCUSAS EM GABINETES PRIVADOS E PROJETOS NEBULOSOS QUE NÃO SÃO DISCUTIDOS!
O Movimento Ocupa é apartidário, mas não apolítico. Diante da evidente degeneração da política, propomos a transição para um outro modelo de sociedade, a ser construído coletivamente, e que permita a participação real de toda sociedade.
O que desejamos é o que ainda está por vir, construído coletivamente e em benefício dos homens e mulheres, entendidos como seres livres, ativos e dotados da capacidade de mudar o mundo e a si mesmos.
www.ocupaniteroi.org

Diversa pessoas- entre conselheiros e cidadãos - se manifestaram ora questionando o processo de encaminhamento do Projeto do 'Novo Centro Expandido' e o absurdo tanto de sua forma, no dia 5, como de conteúdo, ora sobre a importância da grande audiência nessa noite..
Momento histórico no Compur!
Ainda que o documento apresentado pela Secretaria de Planejamento na última segunda dia 5, tenha sido retirado pela prefeitura no último sábado através da imprensa, declarado como "um equívoco lastimável e imperdoável" pelo prefeito, ao fim da reunião foi solicitada sua votação simbólica, tendo sido vetado por unânimidade!

vídeo 9 fala secretária de Urbanismo http://youtu.be/31t5iSgPtkA
vídeo 10 fala Leonardo Giordano http://youtu.be/2wg73sLFDXs
vídeo 11 Fala Quintão http://youtu.be/hXvXbVpYzG4
vídeo 12 Aparte Paulo Eduardo Gomes http://youtu.be/nwMJxMZMiHU
vídeo 13 Fala Paulo Eduardo Gomes parte1 http://youtu.be/O8gXBYKUUJw
vídeo 14 Fala Paulo Eduardo Gomes parte2 http://youtu.be/ypJr3KZ9i7w
Vamos ver o que virá por aí depois disso. Barbas de molho...

Flagrante no Jardim Icaraí, Niterói

Rua João Pessoa, em frente a uma clinica entre Av Sete e rua Mariz e Barros, pelo menos das 14:30 às 16h....
Kombi da Prefeitura. Quatro rodas sobre a calçada.. por, no mínimo, uma hora e meia... 
Quem fiscaliza?!

domingo, 11 de dezembro de 2011

Ocupa Niterói em Domingo 11-12-2011

Venham hoje pro Ocupa! 
Vai rolar uma confraternização e uma Assembléia super importante! 
A presença de todos é muito importante! 
Ocupem!
 
 
E fotos de Mylena Souza à noite:
 
 
 

EM Levi Carneiro no Sapê pronta para desabar!!


‎"ANEXO" ao COLÉGIO MUNICIPAL LEVI CARNEIRO NO SAPÊ ONDE ESTUDAM MAIS DE 200 CRIANÇAS. 
Descaso com a educação e a vida dos alunos e funcionários do "anexo" da Escola municipal Levi Carneiro no Sapê em Niterói deixa o prédio onde estudam aproximadamente 200 crianças em perigo. Esta obra certamente tem o aval da Prefeitura de Niterói. 
Toda vegetação foi suprimida e as escavações deixaram o prédio onde funciona a escola pendurado. 
veja matéria de 13 setembro neste blog:
Se algo acontecer, o alcaide local dirá que não sabia que isso colocava em risco as crianças e funcionários, visto que sua formação é de jornalista...
Este pardieiro que a Secretaria de Educação chama de Anexo do Colégio Municipal Levi Carneiro está esperando por mais uma tragédia. 
Prova absoluta de como a Educação e a vida das pessoas - no caso crianças,  não tem valor algum para a administração de JRS, não só comprometendo o futuro delas com uma educação de baixa qualidade. Agora a própria integridade da vida está pendurada num barranco.. 
Acontecendo uma tragédia virão à imprensa dizer que não sabiam?
Tanto descaso dá nojo!




Campo de São Bento volta ao normal..

Impedimento ridículo é retirado. Nada como pressão popular!!
Ontem sábado as placas que impediam o tráfego de bicicletas tinham sido retiradas...
Com isso temos provado mais uma vez a força de telefonemas, a que a população tem quando reivindica seus direitos! Obrigado população!