sábado, 4 de junho de 2011

Prédio do antigo Cinema Icaraí vai passar por vistoria dos bombeiros

n'OFluminense por: Karina Fernandes 03/06/2011

Solicitação foi feita após audiência pública. Prédio do antigo cinema vai passar por perícia dos bombeiros para verificar a possibilidade da existência de focos de incêndio


O prédio do antigo Cinema Icaraí vai passar por vistoria técnica do Corpo de Bombeiros para verificar a possibilidade da existência de focos de incêndio. A solicitação foi feita pelo vereador Waldeck Carneiro (PT), através de uma indicação legislativa, após a realização de uma audiência pública no último dia 24.
Na ocasião, moradores e representantes de ONGs colocaram a questão em discussão. Além da degradação do edifício devido ao tempo que está fechado, ainda há moradores de rua que colocam fogo em materiais recicláveis e lixo, colocando em risco moradores e comerciantes do local.
O documento, protocolado na Câmara Municipal de Niterói na última quarta-feira, solicita o envio de um ofício ao comandante do Corpo de Bombeiros de Niterói, tenente-coronel Wladimir Rollemberg Vieira para agendar a avaliação do local. Na justificativa, o parlamentar escreve que o Cinema Icaraí é “um dos espaços culturais mais tradicionais e importantes do bairro e da cidade que está fechado desde 2005”.
“O prédio, construído em 1940 para abrigar o Cinematógrapho Icarahy, vem se deteriorando com o abandono a que está submetido”, explicou a indicação.
Waldeck declarou que, se os bombeiros permitirem sua presença no local, irá acompanhar de perto a vistoria - que ainda será agendada após envio da solicitação. A vistoria nos prédios comercial é necessária cada vez que há mudança de razão social, modificação de layout ou redução e acréscimo  de área.

O FLUMINENSE

Revolução 2.0 contra ditaduras - Wael Ghonim (Google)



DN: O obstáculo é - o que ele chamou de - barreira psicológica do medo.. Isso é muito importante para observarmos em cada um de nós o medo que paralisa e, pior: que contagia! E se espalha. O medo que sentimos é só a - preciosa e oculta - arma do oponente, é como isso que ele conta!
Com nossa paranóia, o medo que transpiramos, e que propagandeamos a todo instante, com nossas dúvidas infundadas e com nossas calúnias internas.
Se removermos esse véu que nos venda a percepção, entraremos em contato com nosso desejo verdadeiro. Que é por LIBERDADE. Nas suas mais diversas facetas..
'Alguém' disse que a liberdade da medo.. E todo mundo acredita sem perceber que se trata apenas de uma crença!, e alardeia isso!!
Alguém já experimentou nem que seja um pouco de liberdade? Pergunto: Teve algum sabor de medo nela?! Tenho certeza que não! Se apareceu algum medo, foi o pensamento seguinte de que ela fosse embora...
Alguém disse que o 'desconhecido' dá medo!! E acreditamos de novo!!! Será mesmo?! Provem!

sexta-feira, 3 de junho de 2011

FALTA DE ESTACIONAMENTOS CONGESTIONA ICARAÍ

n'ATribuna em: 03/03/2011 Texto: Paulo Roberto Saboya Foto: Bruno Eduardo Alves

FALTA DE ESTACIONAMENTOS CONGESTIONA ICARAÍ
Este artigo foi publicado pel'A Tribuna há 3 meses atrás.. O que você acha, o problema é a falta de vagas?


A falta de vagas de estacionamento nas ruas de Icaraí está provocando a retenção do fluxo de veículos nas vias públicas, causando enormes engarrafamentos e sendo motivo de inúmeras reclamações de moradores do bairro.
“Icaraí é um bairro de Niterói que cresceu muito da década de 70 para cá, com grandes construções, principalmente, nesse último governo do Jorge Roberto Silveira. Na rua Álvares de Azevedo foram construídos quatro prédios, o que representa mais carros trafegando na região. E o que nós estamos vendo em Icaraí é a redução drástica das vagas de estacionamento. Na Álvares de Azevedo, por exemplo, foi feito um corredor viário sem o menor estudo técnico. E tiraram quase todos os estacionamentos da rua. Na Pereira da Silva esquina com a Tavares de Macedo, existe um centro comercial, com 12 vagas a disposição dos usuários, que estão sendo criminalmente extintas. Isso pode causar mais retenção no trânsito da cidade”, alertou o engenheiro civil, Théo Erthal, 60 anos, criado nas ruas do bairro.
A obra de alargamento da calçada na Pereira da Silva que extinguiu as vagas de estacionamento também é motivo de revolta para a população. “Referente a essa obra na calçada do Centro Comercial Chicago, eu não sei se foi autorizada pela Prefeitura. Se foi, já é um crime. Porque se tem ali 12 vagas de estacionamento e nesse Centro Comercial tem consultórios e clínicas, muitas pessoas que utilizam esse prédio comercial necessitam estacionar seu veículo no local. Icaraí tem uma carência enorme de estacionamentos e retirar mais 12 vagas de uma esquina que não interfere em nada no trânsito, eu acho criminoso. E se a moda pega e todas essas baias que nós temos ao longo da cidade forem eliminadas, o problema ficará pior”, disse Théo Hertal, inconformado com a situação.

O trânsito de Niterói pode entrar em colapso em cinco anos
“A Prefeitura de Niterói através da Secretaria de Obras, determina um certo recuo das construções, porém, os prédios estão colocando grades e ocupando áreas superiores as de passeio público. E mão tem ninguém para tomar providências contra essa, possível, irregularidade. Essas áreas podem ser usadas como estacionamentos, diminuindo o problema de vagas no bairro. Jorge Roberto Silveira durante todo o seu mandato não foi feliz em resolver o problema de trânsito de Niterói. O único que se preocupou realmente, alargando ruas e avenidas foi o prefeito Ronaldo Fabrício (exerceu o cargo de 1975 a 1977). Em consequência a essa falta de planejamento, dentro de cinco anos o trânsito de Niterói vai entrar em colapso. As pessoas vão ter dificuldade de sair da garagem de casa”, enfatizou o engenheiro Civil.
Segundo a Administração do Centro Comercial Chicago, a obra de alargamento da calçada está totalmente legalizada na Prefeitura. Não contendo nenhuma irregularidade. A Prefeitura de Niterói informou que a obra foi autorizada pela Secretaria Municipal de Urbanismo por solicitação do condomínio para a colocação de grades no local.


Será que vai mesmo?: Niterói vai plantar árvores para combater aquecimento global

Secretaria de Meio Ambiente quer neutralizar emissões de gás carbônico.
Serão plantadas 1.500 árvores para atingir a meta de 'Carbono Neutro'.

no G1 Lilian Quaino
Aluno do Colégio Estadual David Capistrano planta uma árvore na escola. (Foto: Divulgação)Aluno do Colégio Estadual David Capistrano planta
uma árvore na escola. (Foto: Divulgação/Secretaria
de Meio Ambiente de Niterói)
A Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, começa o mês de junho, nesta quarta-feira (1º), com uma meta: "Carbono Neutro". A secretaria quer ser o primeiro órgão do Executivo do Estado do Rio a neutralizar suas emissões de gás carbônico com o plantio de árvores nativas de Mata Atlântica.
Segundo o subsecretário de Sustentabilidade, Ricardo Harduim, a estimativa é que a secretaria tenha que plantar 1.500 árvores no final do ano. A meta "Carbono Neutro" começa a ser perseguida a partir desta quarta-feira, quando Niterói abre as comemorações do Mês do Meio Ambiente com um evento no Museu de Arte Contemporânea (MAC).
“O Poder Público parte do discurso à prática. Niterói faz o seu dever de casa em relação às seriíssimas questões relativas ao aquecimento global calculando as emissões de carbono de sua secretaria e compensando com o plantio de árvores nativas de Mata Atlântica”, afirma Ricardo Harduim, explicando que os cálculos para a meta "Carbono Neutro" são feitos com base no Protocolo GHG (Greenhouse Gas Protocol).
O Protocolo GHG é uma metodologia internacional que permite a realização de inventários de gases de efeito estufa, para que empresas e instituições possam controlar sua emissão e colaborar para minimizar o aquecimento global. 
Atividades ao longo do mês
O Dia do Meio Ambiente será comemorado no domingo (5) com festejos a partir das 9h, no Campo de São Bento. Mas ao longo do mês haverá diversas atividades e eventos para marcar a data. Além de caminhadas e plantio de árvores, no dia 14, o Colégio Estadual David Capistrano, na Praça de Santa Bárbara, terá renovado seu título de primeira escola neutra em carbono do Brasil.
“Não faltará neste mês opção para quem deseja participar de eventos ecológicos e contribuir na construção de uma sociedade ainda mais comprometida com o meio ambiente”, afirma o Secretário de Meio Ambiente de Niterói, Fernando Guida, que no dia 24 de maio, aproveitando a passagem do vegetariano Paul McCartney pelo Rio, lançou o programa "Segunda sem Carne", estimulando as famílias a abrirem mão dos alimentos de origem animal pelo menos uma vez por semana.
Parece ótima a ideia de sequestro de carbono, plantar mudas de árvores... 
Agora pergunto: pra quê árvores nas calçadas e nos canteiros de toda Estrada Washington Luiz, no Sapê, se parte desta área está sob a mira de desapropriação por parte da PMN?! 
Plantar para depois arrancar?..

Isso mostra mais uma vez a desarticulação desta Prefeitura onde uma secretaria não tem ideia do que a outra pretende ou já está fazendo... 

E o Sapê, independente da questão da desapropriação, sim ou não, é uma das áreas já verdes da cidade!! Ou seja, se a política da SMMA é resgatar carbono, por que não planta em locais verdadeiramente carentes de verde?! 
Que investimento é esse que no fim vira mais uma sangria de dinheiro?!.. Um dinheiro público gasto absolutamente para nada.. 
E o ano eleitoral ainda nem começou!!


O estado esquizofrênico em que vive a PMN e suas secretarias é proposital, imagino, para manter seu 'funcionamento' nada funcional, onde manter funcionários batendo cabeças uns nos outros à cata de bússola, parece ser uma estratégia para iludir a população de que algo vem sendo feito em seu benefício, mas o que mais e mais observamos são atitudes totalmente desarticuladas mas na realidade totalmente 'orquestradas'...
O problema é saber que 'música' é essa e para quem..
Lança-se a dúvida: será que o objetivo da SMMA é remodelar o ar interiorano do Sapê e conferir-lhe um aspecto mais urbanizado, favorecendo - e aí sim articulada! - o alvo da especulação imobiliária, que às beiras de esgotar áreas tidas como nobres na cidade, pretende alçar seus tentáculos na direção do 'interiorrr' ?!

Demagogia? Hipocrisia? 
Ou 'planejamento' ?! Resta saber pra quem..
DesabafosNiteroienses



quinta-feira, 2 de junho de 2011

Ata informal da Audiência Pública para Apresentação do PLHIS

da esq p/dir: sr Fernando da sec. Habitação; Sr Marcos Linhares, Secretário de Habitação; Vereador Beto da Pipa; Sr Raimundo da CEF e sra Regina também da CEF.

Audiência Pública para Apresentação do PLHIS - Plano Local Habitacional de Interesse Social no dia 01 de junho de 2011 na Câmara Municipal de Niterói às 20h.

Esta 'ata' foi elaborada a partir de anotações informais feitas ao longo da audiência. Algumas coisas que considerei relevantes. Não pretendo dar conta de TUDO que foi dito.
Sem dúvida alguma, há erros, inclusive com alguns nomes que não conheço, ou esquecimento de algo importante que pode não ter sido registrado. Peço a  colaboração de todos no sentido de corrigir qualquer deslize, de modo que tenhamos um resumo razoável para os que não puderam estar presentes.


Presentes à mesa
Como presidente o Vereador Beto da Pipa, o sr. secretário de Habitação, Marcos Linhares e seu subsecretário Fernando (?), o sr. Raimundo pela CEF e sra Regina.  Apresentando o projeto da Latus Consultoria, sra. Cláudia Damásio.

Sra Cláudia Damásio

Apresentação do Projeto
O PLHIS será feito em 3 etapas, ontem com a audiência pública foi encerrada a primeira: Proposta Metodológica. Que já tinha sido apresentada na segunda-feira última ao COMPUR e ontem aos vereadores.
As próximas etapas, com audiências previstas para fins de agosto, Diagnóstico; e Estratégia de Ação em fins de novembro.
O PLHIS é um plano estratégico que busca refletir sobre a compreensão que toda cidade tem do problema habitacional, e busca fazer isso através do diálogo. Diz a consultora que não será a visão dela, nem a visão do governo, mas com a participação de agentes externos, como as comunidade e outras secretarias, além da de habitação, e ter o COMPUR como interlocutor.
Para se comunicar com a sociedade estavam previstas 5 reuniões regionais.. Posteriormente à apresentação da Latus, foi sugerido por um membro da platéia, Sr. Marcos André, que houvesse no mínimo mais 2 reuniões, dado tamanho da Região Oceânica e a dificuldade e custo para acesso entre as comunidades que moram no Barreto e Engenhoca com as do Fonseca, por exemplo. E foi proposto um aumento mínimo de mais 2 reuniões, aceito tanto pela empresa como pela SMHabitação..
O plano definirá metas até 2023. 
Cláudia Damásio em primeiro plano

À tribuna:
  • Vereador Magaldi que se referiu basicamente ao 'esqueleto' - estrutura de edifício -  que existe vizinho de sua casa há 20 anos na Riodades.
  • Vereador Leonardo Giordano
  • Sr Azevedo do CCOB, questiona a existência de terras livres para habitação popular; assim como alerta para intenção do governo em ocupar áreas de preservação para programa habitacional no Sapê. Lembra que se os dados do Censo de 2010 ainda não estão em todo disponíveis,  que estão mais uma vez fazendo um Plano que nasce errado baseado em dados de 2000.
  • Sr. Leandro Sérgio faz parte do grupo do Facebook - Niterói Não Tem Prefeito e lembra que é agora a hora de mudar e que esta mudança vem da sociedade; cogita na possibilidade de se usar recursos virtuais para discutir com a sociedade das 5 regiões administrativas.
  • Sr. Quintão (?) Avisa que COMPUR não teve quorum na reunião da segunda feira passada e que recebeu o documento da Consultora na quinta anterior para leitura e análise; Fala que há diversos imóveis vazios no município. Fala do regime paritário que deveria compor o COMPUR e que este é representado por 6 do governo e apenas 2 da sociedade civil, mostrando assim que não há paridade.
  • Sr Dudu (?) morador de comunidade no Morro do Cavalão, alerta à CEF para voltar sua atenção para pessoas de renda mais baixa.
  • Sr Marcos André questiona o prazo de apenas 6 meses para avaliar e propor um plano para o município que pretende dialogar com a sociedade, e sugere o acréscimo de pelo menos  mais 2 reuniões. Lembra da importância de se fazer ampla comunicação para que as comunidades possam ter ciência e comparecer.
  • Arquiteta Sra Regina Bienenstein fala de sua experiência com processo de planejamento habitacional onde audiências não deveriam apenas encerrar as fases consagrando a mesma, mas serem permanentes ao longo do estudo, que tem um prazo muito curto. Pergunta qual é o papel do COMPUR para direcionar política urbana previamente estabelecida, e questiona a comparação da consultora com visitas a campo, que não estão previstas no Plano, com o trabalho do IBGE. Ressalta a importância de se conhecer as comunidades niteroienses e que isso não significa bater de porta em porta.
  • Antonio Oscar do Observatório Social e do Niterói Como Vamos pergunta que princípios urbanísticos e arquitetônicos estarão sendo considerados pelo PLHIS; exige transparência de todo processo à sociedade, se as informações estarão todas disponíveis e qual o compromisso do PLHIS com a legalidade.
  • Fernando Tinoco chefe do gabinete do vereador Renatinho, que por motivo de saúde não pode estar presente, questiona o uso de informações oficiais e institucionais conforme citado pela consultora; alerta que o déficit habitacional segundo a secretaria municipal de habitação é de 20mil pessoas; estão inscritas no programa minha casa minha vida 24 mil familias; o deputado Rodrigo Neves (agente do pagamento do aluguel social) diz serem 12 mil familias e a PMN paga a 3200 familias.. Lembrando que para se inscrever para receber o aluguel social a pessoa tem que levar um laudo da Defesa Civil, que comprovará seu estado de 'desabrigado'.. Convidou a consultora e demais presentes para a audiência pública sobre as desapropriações no Sapê dia 20 de junho às 19h.
  • Sr Bira Marques fala sobre a falta de consonância da PMN com a sociedade e a UFF e cobra que a política pública alcance a sociedade.
  • Sr PauloEduardoGomes presidente do Psol Alerta sobre as diferenças de comportamento da comunidade do RGS, de onde vem a consultora, com as comunidades niteroienses. Pede transparência.
  • Sr Luiz Fernando do gabinete do vereador Renatinho
  • Sr Beto Saad pede que as comunidades permaneçam nas proximidades do seu local original e que não se faça remoções para locais distantes, que há apenas 4 vereadores naquela casa que se opõem ao governo ; e que as invasões continuam sem combate; pergunta o que foi feito com a verba de Vila Ipiranga e do Capim Melado
  • Sr Maneschy secretário de Trabalho e Renda se diz orgulhoso por fazer parte do governo de Jorge Roberto Silveira.
Considerações finais:
  • A senhora Cláudia Damásio faz suas considerações finais dizendo que se expressou mal ao dizer que não faria visita a campo como IBGE de casa em casa, mas que sem dúvida irá visitar as comunidades; que para sua consultoria não há problema nenhuma em aumentar o numero de audiências regionais; que o seu compromisso com a legalidade vem sendo cumprido quando faz mais que o mínimo exigido pelo ministério das Cidades, mas a garantia com a legalidade só com a participação popular: “o que vocês vão fazer com o Plano, vocês é que sabem!”
  •  Sr Fernando Amaro (?) subsecretário de Habitação também sente orgulho de fazer parte do governo Jorge entre outras observações.
  • Sr Marcos Linhares secretário de Habitação reclama que as pessoas da plenária não aplaudiram o secretário Maneschy como as demais pessoas que foram falar à Tribuna; diz que o prefeito lhe deu carta branca para implantação desse Plano e reclama pois acha que houve muita perda de tempo com coisas  que não precisavam ser ditas e que esta reunião é técnica e não política e que houve poucas contribuições concretas; que vão aumentar sim o número de audiências regionais; que a maioria ali se expressou como derrotistas de plantão, e pergunta: como não vai dar certo?; que nada será construído sem legalidade; que houve sim um erro na poligonal do Sapê; e sobre a questão levantada sobre as terras dos Cruz Nunes, a ele não interessa de quem é a terra, que o recurso público será para quem tiver RGI; que foi amplamente discutido esta etapa no COMPUR e que estão trabalhando para o coletivo menos necessitados, que com mensalidade de R$391 poderão adquirir moradias de R$75mil; será escolhida construtora com expertise para trabalhar para baixa renda de 0 a3 SM e de 3 a 6; que não aceitam fechar condomínios; estão consultando as secretaria de educação e saúde para saberem que oferta estas secretaria tem para novas comunidades; e que a questão levantada sobre o uso do FUHAB deve ser discutido no COMPUR.

A sessão foi toda gravada.

PS Quem perguntou da tribuna à Cláudia Damásio, da Latus, se ela foi informada sobre as desapropriações no Sapê? Diante do silêncio da consultora de cabeça baixa, alguém retrucou da plenária: pode falar que o Secretário de Habitação não vai te demitir não!

MP faz devassa nos hospitais públicos de Niterói e Maricá

n'ATribuna em 20/05/2011MP faz devassa nos hospitais públicos de Niterói e Maricá
Texto: Wellington Serrano Foto: Alex Slaib/Bruno Eduardo Alves

O Ministério Público do Estado em Niterói, através da promotora Renata Scarpa Fernandes Borges, está ouvindo as Secretarias de Saúde de Niterói e Maricá sobre denúncias que chegaram ao MP através de moradores. Após análise da situação e visitas às instituições de saúde realizadas nas últimas semanas, a promotora decidiu intimar para depor o subsecretário de Niterói, Roberto Carlos, e o secretário Carlos Alberto Malta Carpi, ex-secretário de Saúde de Itaperuna que foi nomeado a pedido do deputado federal Francisco D’ángelo (PT) para a pasta em Maricá.
A promotora está ouvindo, ainda, o atual presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região (Sinmed), Clóvis Abrahim Cavalcanti, que revelou para A TRIBUNA o conteúdo de sua conversa feita a portas fechadas com a promotora. Ele teceu enfáticas crítica ao sistema de saúde na região.
Segundo o presidente do Sinmed, o sistema de saúde de Niterói e de Maricá está no CTI. “A Central de Regulação e a emergência do Hospital de Maricá não funcionam. Muitos pacientes da cidade são transferidos para Niterói e São Gonçalo porque estão morrendo nos corredores”, disse Clóvis Abrahim.
De acordo com Clóvis Abrahim, hospitais tradicionais de Niterói estão em decadência e perdem credibilidade em suas especialidades. “É o caso do Azevedo Lima, dos serviços de cirurgia gástricas do Orêncio de Freitas e os serviços de pediatria do Getulinho. Tudo isso, é devido à falta de concurso e salários dignos. Não existem médicos efetivados, muitos recebem como RPA (autônomos) ou são contratos provisoriamente sem 13º e sem direito a nada”, lamenta Clóvis, afirmando ainda que o prazo de 60 dias, dado pela promotora para providências nas falhas, não será cumprido. 
“Tenho certeza que estas melhorias nas atividades não serão cumpridas. O caos tomou conta da saúde dos municípios de Maricá e Niterói. Os investimentos não estão sendo feitos para melhorar o a saúde do povo que não tem o atendimento primário que deveria ser realizado nos postos de saúde, dentro de um horário das 8h às 17h”, reclama o presidente do Sinmed, revelando também que a falta de postos de saúde nas comunidades ajuda a sobrecarregar as emergências dos hospitais.
“Não existe mais postos de saúde e isso acarreta na falta de atendimentos clínicos às pessoas com diabetes e hipertensão, por exemplo, que quando chegam as emergências estão num processo avançado da doença”, enaltece.
Investigação
Nesta semana, a promotora de Justiça Renata Scarpa Fernandes Borges promoveu audiências separadas com o subsecretário de Saúde de Niterói, Roberto Carlos, e o secretário de Saúde de Maricá, Carlos Alberto Malta Carpi, e apontou as falhas na saúde de ambos os municípios e pediu providências, marcando nova audiência para 6 de julho para nova avaliação.
Segundo a promotoria, uma ação penal pode ser movida, caso nada seja feito, o que poderá responsabilizar criminalmente os responsáveis pelas secretarias. 
Os itens abordados pela promotora foram os seguintes: emergências superlotadas; ausência de porta de saída no Carlos Tortelly; superlotação na UPA do Fonseca; falta de eficiência na regulação de vagas; ociosidade no Hospital Universitário Antônio Pedro (Huap); ausência e sucateamento de ambulâncias; e alta taxa de ocupação de leitos por cuidados paliativos.

Esclarecimentos
A reportagem de A TRIBUNA procurou a Secretaria de Saúde de Niterói para saber quais as primeiras providências que estão sendo tomadas, mas até o fechamento da edição não teve as respostas. A Secretaria de Saúde de Maricá, através da assessoria de imprensa da Prefeitura, confirmou que o secretário Carlos Alberto Malta Carpi participou, na semana passada, de uma reunião com a promotora Renata Scarpa, juntamente com representantes do Conselho Regional de Medicina, Ordem dos Advogados (OAB) de Maricá e Associação Médica de Maricá e se comprometeu em melhorar a saúde daquele município. 
De acordo com a assessoria de imprensa, na reunião, foram discutidas as dificuldades de atendimento e as propostas para melhorar a saúde do município. A promotora foi informada da construção de um novo hospital para Maricá - promessa firmada pelo Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, ao prefeito Washington Quaquá numa reunião em Brasília no início do mês. O único hospital da cidade, o Conde Modesto Leal, não tem mais condições de ser ampliado.
Segundo nota, os assessores lembram que Maricá não dispõe de hospitais estaduais, federais e nem particulares, plano de cargos e salários dos profissionais da saúde estão sendo elaborados e que todos os concursados foram convocados. O secretário acrescentou ainda que os postos de saúde estão passando por reformas. “A reunião foi amigável e somente de esclarecimentos”, afirma o texto.

Dados sobre empreendimentos imobiliários em Niterói

Você sabia que em:

  • 2006 foram feitos 31 lançamentos imobiliários em Niterói?
  • 2009 foram mais 44?;
  • 2010 foram pelo menos outros 51, sendo que 24, quase metade!, em Icaraí (lembrando que neste nome 'Icaraí' está embutido o novo 'bairro' Jardim Icaraí - onde se situa a maioria desses 24)? (dados fornecidos pela ADEMI)
De acordo com levantamento de campo* sobre planta cadastral de 1997 da PMN:
  •  no período de 1997 a 2009, ou seja em 12 anos, foram construídas 69 novas edificações** ?
  • E que em apenas 2010, foram 21, quase um terço em um único ano? E que nenhuma delas teve exigência para fazer Estudo de Impacto de Vizinhança?
* De acordo com o trabalho de graduação em Arquitetura da UFF de Thais Alves, aluna da professora Louise Land.
**edificações - empreendimento imobiliário residencial- estas já prontas e em uso na época do estudo e levantamento de campo entre nov2010 e jan 2011.

 
Rua Domingues de Sá - imóveis que ainda não entraram na pesquisa acima...



quarta-feira, 1 de junho de 2011

Seminário: Resíduos, Impactos e Geração de Renda em Niterói dia 8/junho

Rogério Rocco: O Código para desmatar

27.05.11 às 01h29 Analista ambiental e mestre em Direito
Rio - Nosso primeiro Código Florestal foi decretado por Getúlio Vargas em 1934, num contexto singular. A economia estava em transição de um modelo agrário-exportador para um urbano-industrial, no qual a pressão sobre os elementos naturais aumentaria expressivamente. A população beirava os 20 milhões de habitantes e o desafio era de desbravamento do território nacional.
O segundo foi sancionado por Castello Branco. O Brasil estava às vésperas do MilagreEconômico e a população chegava a 90 milhões. O ciclo da urbanização/industrialização estava no auge e, apesar dos primeiros sinais de preocupação com a questão ambiental, essa era a tendência mundial para o desenvolvimento.
Os debates sobre as mudanças no texto da lei em vigor tiveram início em 2001, quando alterações no Código foram promovidas por Medida Provisória. À época, o presidente FHC aumentou a extensão das Áreas de Preservação Permanente e das Reservas Legais, tendo em vista a sustentabilidade. Os debates foram capitaneados pelos setores hipoteticamente prejudicados pela medida, em especial o ruralista.
Ao pensar uma nova ordem florestal, temos que fazê-lo considerando alguns dados. Mais de 90% da Mata Atlântica foi devastada, assim como cerca de 50% da Caatinga e do Cerrado. Diversas espécies da fauna e flora desapareceram e outras tantas podem ser extintas. E na Amazônia cresceu consideravelmente o desmatamento.
Porém, em pleno século 21, e no Ano Internacional das Florestas, a Câmara dos Deputados aprovam a redução da proteção às florestas brasileiras e a anistia aos desmatadores. Seria um ato de estupidez, se não fosse essa a representação de uma visão egoísta e medíocre de mundo, com objetivos mesquinhos de lucro imediato, a qualquer custo, sem nenhum compromisso com o país e suas futuras gerações.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Poda ou devastação?

A questão do novo Código Ambiental parece que permeia todos os atos públicos, os atos das concessionárias... E a opção é mais uma  vez adevastação!!
Um amigo divulgou que a Ampla TEM QUE ter um agrônomo consigo para orientar a poda. Esta é uma informação importante que pode nos munir diante de descalabros como esse..
SE não tiver, polícia!
Isto que restou de árvore encontra-se na Rua Prof. Miguel Couto, entre João Pessoa e Geraldo Martins, do lado  esquerdo na mão da rua, bem próximo à João Pessoa.

Quem foi o responsável por este crime?!






domingo, 29 de maio de 2011

Hotel no Ingá e seu gabarito perdido!

Prédio do Hotel ao lado do supermercado em frente à praça do Ingá...


A obra do hotel visto por trás intermediado pela garagem do supermercado através das árvores da Rua Itapuca
Aqui vemos a obra do mesmo hotel por trás, pela Rua Itapuca onde podemos comparar sua altura com os prédios em frente do lado da praça...
De acordo com a legislação em vigor, ou seja os PUR's das praias da Baía e Região Oceânica as construções destinadas a hotéis “possuem parâmetros urbanísticos independentes das frações urbanas onde se situarem”, ou seja gabarito vertical, afastamentos, taxa de ocupação e impermeabilização do terreno...E são objetos de “análise especial”...

Os políticos e a ressaca

Ressaca em Niterói chega até às ruas e destrói calçadão

n'OFluminense 29/05/2011

Ondas avançaram sobre as calçadas e atingiram prédios na orla da Zona Sul da cidade. Bombeiros recomendam que banhistas não se aproximem do mar

Desde a madrugada, ondas fortes e altas avançaram sobre as calçadas e atingiram prédios na orla da Zona Sul da cidade e invadiram diversas garagens. Os Bombeiros recomendam que banhistas não se aproximem do mar. Um vídeo amador da ressaca na Praia das Flechas está disponível no http://www.youtube.com/watch?v=C5OnRqQU7ZM
A forte ressaca que atingiu a orla de Niterói, Rio de Janeiro e Maricá causou estragos neste domingo. A força das ondas destruiu parte do calçadão da Praia das Flechas, na Zona Sul da cidade. O mar avançou sobre a rua, chegando a atingir prédios na orla da região, e parte da Avenida Almirante Benjamin Sodré, na Boa Viagem, ficou interditada. Houve correria entre moradores que tentavam retirar carros estacionados próximos ao local. Apesar dos riscos, dezenas de curiosos foram até a beira do calçadão para ver o que acontecia.
Para o Presidente da Niterói Transportes e Trânsito (Nittrans), Sérgio Marcolini, a situação é mais crítica no trecho entre as ruas Nilo Peçanha e Pereira Nunes. Segundo ele, o trecho de Itapuca já foi liberado mas a parte próxima à Nilo Peçanha sofreu um desabamento por volta das 13h30 da tarde e deverá permancecer um bom tempo interditado.
Marcolini explicou ainda que o trecho permanecerá interditado até que se possa mensurar os danos ocorridos e justificou a demora na limpeza das vias com o fato da maré ter voltado a subir na região. Segundo ele, na segunda-feira a maré deve abaixar e será possível avaliar melhor os estragos.
O secretário municipal de Segurança e Controle Urbano, Wolney Trindade, garantiu que as equipes de limpeza permanecerão trabalhando durante a noite para que as pessoas possam sair de carro das garages afetadas na manhã de segunda. De acordo com ele foram apenas cinco edifícios que tiveram suas garagens invadidas pela água.
Já o secretário municipal da Fazenda, Selmo Treiger, ressaltou que por enquanto só é possível perceber a destruição superficialmente.
"Só depois da maré baixar poderemos avaliar os danos por baixo do calçadão"
Os representantes do governo municipal pediram à população que respeite a área interditada, já que novos desabamentos ainda não foram descartados.
De acordo com os bombeiros, as ondas na região e em Icaraí ultrapassaram dois metros de altura e, em Itacoatiara, alcançaram três metros de altura. Apesar dos danos materiais, não foram registrados afogamentos até o início da tarde.
Na Região Oceânica da cidade, o mar também está agitado. A recomendação do Corpo dos Bombeiros é para que banhistas evitem se aproximar do mar, mesmo para quem tem experiência e sabe nadar.
Em Maricá, moradores relatam que a forte ressaca na Praia da Barra fez com que a água do mar invadisse a lagoa.
No Rio, as ondas chegaram a quatro metros de altura.



O FLUMINENSE

Fotos da Ressaca em Niterói neste domingo

 Cheguei pela Praia de Icaraí, calçada lavada...mar altíssimo.. 

 


A onda levava água até as árvores que depois ficavam pingando sobre a calçada... 
E o mar refluindo pelos bueiros...                             














E em Itacoatiara..

Escândalo à luz do dia e ninguém vê!

Acabei de flagrar um escândalo... 
Fui ver e registrar a ressaca na Boa Viagem e na volta, em frente à Reitoria e adjacências, também bati umas fotos no sinal, entre moçoilas distribuindo propanganda de mais prédios em Niterói.. 
Eis que, começando a subir a Rua Miguel de Frias, vejo uma Kombi da Prefeitura do Rio - Rio Conservação!.. 
Fiquei intrigada, imaginando o que uma Kombi oficial, do município ao lado, estaria fazendo por estas plagas, em pleno domingo, exatamente 11:35 da manhã?!... 
E qual não foi minha surpresa quando fui respondida rapidinho...

As imagens falam por si.. 

Sinal da Rua Miguel de Frias com Praia..

As duas moças não foram enquadradas porque eu fotografava outra coisa mais adiante, mas elas estão à minha esquerda.. 
Eu ainda não tinha visto a Kombi, nem esta tinha chegado...
Ao me virar para subir a rua, passo ao lado do veículo e algo em mim desperta... Fotografo.
A Kombi pára e sai uma moça. Uma das moças que distribui propaganda da CEU vem ao seu encontro... A placa do carro, basta clicar sobre a foto que ela amplia! LPC-8500


Achei melhor atravessar a rua para ter mais ângulo... a moça entra na Kombi..
A moça tira mais prospectos de dentro da Kombi que veio abastece-la com mais material de propaganda.. 
Ou terá sido alimento?! 
Não posso agora ter certeza, mas seja o que for, a Kombi pública não poderia estar trabalhando para propagandistas de imobiliárias...

 E ela volta rápida ao seu posto...
Alguém da Kombi, o motorista ou a moça de blusa lilás, acho que me notam fotografando do outro lado da rua e saem acelerados.. mas param no sinal, para uma última foto! O mais espantoso é que ninguém do veículo público se escondeu para fornecer material de propaganda particular..era 11:35 e ninguém via, eu mesma quase não vi!!!... e assim são as falcatruas..como nada nunca acontece, os 'ladrões' podem agir à luz do dia, despreocupadamente que ninguém nota!!! 
Isso é o mais perigoso...

Ressaca na Boa Viagem às 11h e depois das 13h



Algumas horas depois a maré subiu e as ondas também..assistam este vídeo no G1:
http://g1.globo.com/vc-no-g1/noticia/2011/05/internauta-filma-ressaca-na-orla-de-niteroi.html