sexta-feira, 22 de abril de 2011

Cabral nega venda do complexo Caio Martins


n'OSãoGonçalo por Julio Cesar Brazil 20/4/2011 21:18:21

A polêmica envolvendo a venda para a iniciativa privada ou o tombamento do Complexo Esportivo Caio Martins, em Icaraí, em Niterói, parece estar perto do fim. Ontem, o governador Sérgio Cabral negou o interesse do governo estadual em se desfazer do espaço. Segundo o vereador João Gustavo (PMDB), o chefe do Executivo fluminense contou que pretende transformar o complexo em uma área multiuso.

As novidades envolvendo o Caio Martins foram lidas na sessão de ontem da Câmara Municipal. No texto, o governador prometeu ainda recuperar os rios que passam pelas ruas próximas, além de reformar todo o local.
“Vamos criar uma área multiuso nunca vista no país”, afirmou Cabral.

Tombamento -
 Na última terça-feira, a Mesa Diretora do legislativo niteroiense leu o projeto de tombamento do Complexo Esportivo Caio Martins, elaborado em conjuntos pelos vereadores José Antônio Fernandez, o Zaff, e Luiz Carlos Gallo, ambos do PDT. Segundo Zaff, a proposta visa evitar uma possível demolição da área, que iria receber um empreendimento imboliário.

“As notícias que nos chegaram sobre a possível venda do Complexo Caio Martins ainda são poucas e sem muitos detalhes. Entretanto, resolvi atuar de forma preventiva. Niterói não pode correr o risco de ficar sem este patrimônio histórico e cultural que tem nos servido por tantos anos”, declarou o pedetista.

Indicação - Em 2007, Zaff já havia sugerido ao ex-prefeito Godofredo Pinto (2002-2008) a municipalização do Caio Martins no fim da concessão do estádio de futebol para o Botafogo, ocorrida naquele ano.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

DIA DO INDIO SOB AMEAÇA: CONSTRUTORA TENTA INVADIR TERRA INDIGENA DENTRO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DA TIRIRICA

Do blog do Renatinho do Psol segunda-feira, 18 de abril de 2011

Uma empresa construtora, se dizendo proprietária das terras protegidas no entorno da laguna de Itaipu, tenta há duas semanas entrar a força no espaço indígena para realizar medições da área. Os índios guaranis da Aldeia Guarani Mbyá de Camboinhas, que lá vivem e defendem o espaço considerado sagrado por eles, tem sido ameaçados e coagidos a permitir a entrada dos supostos empresários que lá chegam rodeados de dezenas de seguranças particulares.



O local reivindicado para a construção de centenas de prédios de apartamentos é área úmida da laguna, que, além de protegida pelo Código Florestal Brasileiro, está dentro dos atuais limites do Parque Estadual da Serra da Tiririca e contém o milenar sambaqui Duna Pequena, apontado como solo sagrado pelo o povo indígena. A empresa que travava batalha judicial era a Pinto de Almeida, que foi derrotada e agora ao que parece passou as terras para esta outra empresa, a Wrobel Construtora S.A que, desconsiderado o processo judicial e toda a legislação que protege o local, tenta arbitrariamente retirar os índios e tomar posse do local.



O cacique da aldeia guarani, Darcy Tupã, entrou em contato com a Comissão de Direitos da Câmara Municipal e denunciou a tentativa de invasão da empresa. Em contato telefônico com a Comissão Legislativa presidida pelo Vereador Renatinho (PSOL), o senhor José Rodrigues, se dizendo representante da empresa, se comprometeu a não mais retornar ao local sem que antes a questão ficasse esclarecida junto aos órgãos competentes.






“Nós dissemos ao empresário que aquele ato era ilegal e iríamos tomar as devidas providências caso se confirmasse a invasão das terras. Exigi que ele só retornasse ali quando tivesse um mandado judicial e estivesse devidamente acompanhado do INEA e da FUNAI. Se tiver alguma tentativa judicial da empresa para buscar a propriedade do local nós vamos brigar pelos meios legais. O que não dá para aceitar é que cheguem com dezenas de seguranças particulares e queiram medir força com os índios que estão ali para defender o meio ambiente e o solo sagrado deles.”, disse o vereador Renatinho (PSOL), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Niterói.

No dia de hoje (18/04) os empresários retornaram à aldeia indígena e novamente tentaram entrar nas terras objetivando inclusive colocar cercas em volta do espaço. Novamente o cacique entrou em contato com a Comissão de Direitos Humanos que imediatamente contatou o INEA e está enviando um representante ao local. Renatinho também formalizará uma denuncia à Policia Federal e à FUNAI, solicitando que as devidas providências sejam tomadas para garantir a segurança dos índios e a proteção do meio ambiente local.


Amanhã (19/04) é dia do índio e está marcado um ato público na aldeia indígena. A partir das 09h acontecerá um misto de comemoração pela data comemorada no dia 19 de abril e protesto contra essa nova tentativa arbitrária de se remover a aldeia. Os índios farão diversas apresentações e se manifestarão em defesa da cultura indígena e do meio ambiente, ambos ameaçados mais uma vez pela especulação imobiliária que novamente atenta contra a nossa cidade.

domingo, 17 de abril de 2011

Estação de tratamento de esgoto de Niterói rompe e deixa feridos



Praça, ruas próximas e algumas casas foram tomadas pela maré de esgoto
Do R7, com Rede Record | 17/04/2011 às 15h42 | Atualizado em: 17/04/2011 às 17h21

Uma parede da Estação de Tratamento de Esgoto Toque-Toque, da concessionária Águas de Niterói, região metropolitana do Rio, se rompeu, na tarde deste domingo (17), e deixou oito pessoas feridas após serem arrastadas pela correnteza de detritos. A informação inicial era que seriam dez feridos no acidente. Segundo informações da concessionária, seis das vítimas já foram liberadas. Nenhum dos atingidos sofreu ferimentos graves.
O diretor da Águas de Niterói, Dante Luvisotto, informou que a empresa vai fazer o possível para minimizar os danos materiais provocados pelo acidente. Luvisotto disse também que a empresa ainda desconhece o que pode ter provocado o rompimento da adutora, que leva esgoto em fase de tratamento.
- O tanque de aeração que arrebentou tem capacidade de 5 milhões de litros de esgoto. Apesar do acidente os moradores não terão problemas no esgoto.
O acidente aconteceu por volta das 12h30, na rua Visconde do Rio Branco, esquina com a Praça Doutor Azevedo Cruz, no centro de Niterói. A praça, ruas próximas e algumas casas foram tomadas pela maré de esgoto. Alguns carros também foram arrastados pela correnteza.
Moradores da região temem contrair doenças já que a água contaminada estaria se misturando à tratada. Segundo informações da Águas de Niterói, apesar do acidente a captação de esgoto da zona norte e do centro do Rio e de Niterói não será prejudicada.
Estação atende 110 mil pessoas
Inaugurada em maio de 2004, a  Estação de Tratamento Toque-Toque foi implantada originalmente com vazão de 220 litros por segundo, atendendo ao centro de Niterói e parte da zona norte, coletando e tratando o esgoto de 80 mil habitantes.
Em 2009, a unidade foi ampliada passando a ter capacidade para 400 litros por segundo. Atualmente, a estação atende a uma população de aproximadamente 110 mil pessoas.


Imagem do EXTRA:

Rastro de destruição causado pela adutora / Foto: Pablo Jacob / Extra