quinta-feira, 3 de março de 2011

Niterói Carnaval 2011 - Chega de Lama, Chega de Jorge

(de Fernando Tinoco e Lê Santana)
Não quero torre
Quero casa popular
Taxa de lixo não quero pagar
vender a CLIN
Não podemos permitir
Eu vou lutar pelo emprego do gari

Quero a abertura 
Do Campo de São Bento
Chega de prédio
Não quero engarrafamento
Na Tribuna Livre
Junto com a população
O grito de carnaval ééé
Chega de roubo, chega de corrupção

O prefeito sumiu
Desde abril
Ninguém sabe, ninguém viu
Chega de lama, chega de Jorge
Caso de amor?! Sua máscara caiu

quarta-feira, 2 de março de 2011

Acorda Niterói - parte I - episódio de hoje: as praças

Ainda que Anaenne tenha escrito esse artigo em 6 de fevereiro, o assunto, quase um mês depois, continua em voga.
no blog Baiúca do Baudelaire por Karina Limeira Brandão, mais conhecida como anaenne:

Resolvi inaugurar uma nova série, "Acorda Niterói". Porque dia sim, dia também, algo na cidade, em franca decadência, morrendo diariamente, tomada por ações inescrupulosas, me desilude, desanima, irrita, revolta... então vamos falar, vamos pensar juntos, vamos resmungar, vamos ver se agimos, porque está ficando realmente difícil.

Hj quero falar do recente episódio Wolney Trindade, até então Secretário de Segurança e controle urbano. Pois então: Wolney resolveu, a revelia da população, fechar as praças da cidade por "medidas de segurança".

Começou com o Campo de S. Bento, principal área verde e de recreação da cidade, de grande circulação, principamente usada por crianças e idosos. Seus portões estão sendo fechados às 19h (em pleno horário de verão) e durante a semana os portões laterais (da Domingos de Sá e e da Lopes Trovão) permanecem fechados o dia inteiro. O vereador Renatinho, do PSOL, solicitou ao Secretário a reabertura, em nome dos idosos, dos deficientes físicos, das mães com carrinhos de bebê etc., que diariamente fazem enorme uso dessas entradas.

A resposta já é de conhecimento público, mas não custa lembrar: é inacreditável. Wolney manda os idosos andarem mais, porque é bom pra saúde; diz que os portões vão ficar fechados até ele morrer; que os incomodados devem procurar outro lugar para visitar; dentre outras falas, mais apropriadas para um xerife do velho oeste do que para um FUNCIONÁRIO PÚBLICO pago com o dinheiro do contribuinte. Veja aqui a íntegra da resposta de Wolney, para conferir com seus próprios olhos o teor da resposta.

A população berrou. Está organizando hoje, dia 6 de fevereiro, domingo, ato público na entrada da Gavião Peixoto, com abaixo-assinado e manifestação exigindo a reabertura dos portões e a saída do Secretário. Além disso, muitos moradores, em seus prédios e estabelecimentos comerciais próximos ao CSB, estão recolhendo assinaturas para o abaixo-assinado. Finalmente, Niterói volta a se mexer um pouco contra os desmandos na cidade, sempre contra os desejos populacionais. Veja a cobertura do Globo sobre os protestos aqui.

Mas a sanha do Secretário contra os espaços públicos, de lazer e de socialização popular não termina aí. Ele também anunciou que pretende gradear e fechar a praça Leoni Ramos, conhecida como Praça da Cantareira. Fiquei pasma!!! Em primeiro lugar, pela desfaçatez dessa notícia. Gente, olha o tamanho daquela praça, que medida é essa - e com dinheiro público para custear as grades? Ele alega falta de segurança e problemas com o tráfico de drogas. Numa praça daquele tamanho qual seria o problema em fazer um policiamento, um sistema mínimo de segurança?

Mas a questão é bem mais grave e complexa do que isso. A praça da Cantareira é hoje o ÚNICO espaço realmente democrático para os jovens da Niterói se divertirem. Ponto de aglutinação de estudantes das universidades da cidade, tanto da UFF quanto das particulares que se distribuem no Ingá e no Centro, como a Maria Thereza, a Estácio e a Universo, é um reduto boêmio e festivo, com bares com pizza a dez reais, cerveja barata, shows, apresentação de dança, poesia, funk, samba, protestos políticos, eventos estudantis etc. Os que preferem ou estão mais sem grana, não ficam nos bares no entorno da praça, mas sentam em seus bancos e murinhos, consumindo uns comes e bebes dosambulantes que já se consolidaram há anos ali. Portanto, é um espaço vivo, já consagrado, importante para a socializaçao da comunidade acadêmica de Niterói, especialmente para as muitas repúblicas estudantis do Ingá e de S. Domingos, que não teriam NENHUM outro lugar de diversão e socialização se não fosse a Cantareira.

Já tive meus vinte anos há vinte anos em Niterói. Tínhamos tantos espaços de socialização, tantas opções culturais, bares alternativos, teatros, cinemas etc. Foram matando tudo aos poucos, os cinemas e teatros sendo fechados, os bares sendo substituídos por esses fakes de classe média, careiros, todos com essa cara feliz da burguesia estúpida que de certa forma passou a dominar a cidade. Isso tudo acabou, Niterói passou a ser um nada cultural, repito: UM NADA CULTURAL. A Cantareira é, neste sentido, uma sobrevivente. Debilitada, é certo, depois que a própria sede da Cantareira, que funcionava como uma lona cultural, com shows, eventos, feiras artesanais e de alimentos, foi fechada e transformada em mais uma boate mauricinha, em uma vergonha que tivemos que engolir, sem quem nenhuma autoridade pública intervisse. Mas ainda assim, a Cantareira resistiu. E agora assistimos à tentativa de matá-la definitivamente.

Muitos perguntam: será coincidência que o fechamento da praça da Cantareira seja proposto quase concomitantemente à construção de blocos de prédios de classe média na área do Clube Gragoatá? A quem parece interessar a transformação de um espaço vivo, alegre, vibrante e noturno em mais uma pracinha passiva e morta para consumo visual da classe média? Acho que precisamos pensar nisso.

Os moradores e usuários das praças estão reagindo. O ato do Campo de São Bento é exemplo disso. Também na Cantareira já se realizou ato público de protesto, na quinta-feira, dia 3 de fevereiro. Precisamos "estar atentos e fortes", como aprendemos com ostropicalistas, não esmorecer nessa luta, impedir esses desmandos.

Estão tentando matar Niterói. Isso é visível e será tema de outros posts futuros nesta série que inauguro agora. As praças são o pulmão e o coração das cidades, espaços de circulação e de encontros da população. Aprendemos com Bakhtin que as praças são locais privilegiados da cultura popular, elas pulsam, são essenciais para que a população respire, se encontre, interaja, resista. Por duas vezes, tentaram já atingi-las (quando quiseram fazer garagens subterrâneas na Getúlio Vargas e no próprio Campo de São Bento), mas a população reagiu e impediu essas ações. Ou seja, até agora, foram nas praças e sobre elas que os moradores de Niterói se solidarizaram e agiram. Isso indica claramente seu potencial de ação pública e de resistência.

Não à toa, estão tentando matá-las. Também por isso, precisamos impedir suas mortes. Acorda Niterói!

Carnaval em Niterói: Bloco Chega de Jorge, esta quinta!

O piloto sumiu! O prefeito sumiu! Essa é a impressão que temos em Niterói. Vamos ficar aí parados com tanto descaso!? Que tal colocar o bloco na rua?! Um bloco de carnaval e de luta!
Depois da tragédia das chuvas, que vitimaram milhares de famílias em nossas cidades, o Jorge Roberto mal aparece para dar explicações. Aluguel social atrasado. Nada de contenção de encostas e nem plano de moradias populares. Em vez de pensar no povo, o prefeito cria mais cargos comissionados para abrigar seus amigos e apadrinhados políticos, quer privatizar a CLIN, expulsar os trabalhadores da Cantareira, fechar os portões do campo do São Bento. Educação, saúde e segurança vão de mal a pior.
Está na hora de fazermos alguma coisa. No clima do carnaval. Daí nasceu a idéia de colocarmos o povo na rua com bom humor e irreverência, para contestar o descaso em que se encontra nossa cidade. E iniciar uma campanha por mudanças profundas em nossa cidade. Não seja indiferente, venha fazer a diferença! Com animação e samba no pé!
Vem com a gente. Nessa quinta, todo mundo no Bloco de Carnaval Chega de Jorge!
Bloco de Carnaval Chega de Jorge

Data: 3 de março, quinta-feira
Horário da concentração: 16h30
Local da concentração: Na praça da República, na Av. Amaral Peixoto, em frente ao Liceu e a Câmara de Vereadores
Venha fantasiado, traga seus instrumentos musicais, seu pandeiro, suas bandeiras, cartazes coloridos com suas lutas e vamos colocar o bloco na rua! Traga suas denúncias com criatividade e alegria. 
Chega de Jorge!

Mais informações escreva para este blog que forneço telefones dos organizadores.
artejorgebannernet


RJ – Niterói: tragédia sem fim

25/02/2011 - 7:24
Às vésperas de completar 10 meses da tragédia no Morro do Bumba, em Niterói, Marcelo Freixo, que preside a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Alerj, visitou nesta quinta-feira (24/2) o 3º BI, em São Gonçalo, onde se encontram 380 pessoas vitimadas pelas chuvas.O que os parlamentares membros da Comissão puderam constatar foi o total descaso e abandono por parte do poder público: esgoto a céu aberto, comida terceirizada inadequada, crianças sem creches, instalações precárias e banheiros sem condições humanas de uso. Um relatório sobre a visita será entregue a diversas esferas do poder público. Leia na íntegra pronunciamento de Freixo sobre a visita.

“Eu estava preparado para me pronunciar hoje, mais uma vez, sobre a crise da Segurança Pública – e o primeiro ponto é que entendo que há uma crise, ao contrário de outros, que perguntam: que crise? –, mas abordarei outro tema em função de uma visita que a Comissão de Direitos Humanos realizou hoje. Eu e os Deputados Janio Mendes e Robson Leite fomos hoje ao 3º BI, onde os desabrigados de Niterói se encontram.
Por que fizemos essa visita? Porque a Comissão de Direitos Humanos foi demandada para isso. O mais interessante é que fizemos grandes debates nesta Casa sobre as tragédias da Região Serrana, com muita razão. O problema é que no Rio de Janeiro uma tragédia apaga a outra e nós vamos provocando um processo de amnésia que tem graves consequências sociais.
Completa dez meses agora a tragédia de abril em Niterói, no Morro do Bumba, que nós tanto comentamos aqui no ano passado. Ninguém fala mais nisso porque, é óbvio, a tragédia da Região Serrana nos ocupa e nós esquecemos a outra. Em Niterói, a situação não tem sequer algum encaminhamento de solução.
Nós visitamos hoje o 3º BI e constatamos algumas coisas gravíssimas. Estamos produzindo um relatório que vai ser entregue a todos os membros da comissão, à Presidência desta Casa – os deputados que tiverem interesse podem, evidentemente, solicitá-lo. São 380 pessoas naqueles abrigos, esgoto a céu aberto, uma comida de uma empresa terceirizada. Hoje, olhando a comida – só podemos falar do dia de hoje –, sinceramente, percebemos que para qualquer pessoa com algum problema de saúde, diabetes, por exemplo, aquilo não era um cardápio, era um atestado de óbito.
As condições são absurdas. Há lá uma piscina desativada, com água parada. A medida tomada pela Vigilância Sanitária foi jogar dentro da piscina – eu não estou brincando, é sério – um sapo e alguns peixes. A medida técnica tomada foi jogar um sapo e alguns peixes na piscina desativada do Estado, porque aquilo pertence agora ao Estado – era federal e passou ao Governo do Estado.
Várias crianças ainda não estão estudando. Havia uma escola lá dentro que não mais funciona e não há encaminhamento para que essas crianças hoje estudem. São mais de 100 crianças que ainda não começaram seu ano letivo e tiveram muitos problemas no ano passado.
O aluguel social de 400 reais – já é difícil as pessoas reconstruírem suas vidas com esse valor – é pago de forma completamente irregular. Várias parcelas não foram pagas, atrasam, não têm dia certo. Se esse dinheiro é utilizado para pagar aluguel, é fundamental que o poder público pague com regularidade e no dia correto, senão, as pessoas não cumprem o seu compromisso na casa que elas estão alugando, é óbvio. O que acontece é que vários dos moradores que dependem do aluguel social não pagam o seu novo aluguel e, com isso, estão sendo despejados. A consequência disso é que eles voltam para áreas de risco que até hoje não receberam uma visita de um engenheiro, de um geógrafo. Até hoje não houve qualquer visita do poder público àquelas áreas atingidas em Niterói.
Aquelas vozes dentro do Batalhão eram vozes de desespero. As pessoas foram transferidas para outro município – eram todos de Niterói – e as crianças que no ano passado recebiam RioCard que só dava direito a duas passagens; como elas foram transferidas para um Batalhão que fica em São Gonçalo, elas não conseguiam mais pegar apenas dois ônibus; tinham que pegar quatro, e o RioCard não cobria mais.
Então, o que acontece é que boa parte desses alunos só podia assistir à metade das aulas do mês. Para a outra metade não há dinheiro de passagem. Tiveram o ano letivo passado comprometido e este ano mais uma vez. E a justificativa para que este ano a escola que funcionava lá dentro fosse fechada é que novos desabrigados do 4º Gecam foram para o 3º BI. Mas o curioso é que os abrigados do 4º Gecam foram para o 3º BI porque foram despejados pela própria Prefeitura, que agora diz que não pode manter a escola porque recebeu mais gente.
Ora, é um nível de cinismo inaceitável. Essas pessoas não estão ali pedindo favor. Aquilo ali não é uma casa de custódia. Essas pessoas não estão cumprindo pena. Essas pessoas não cometeram crime. Essas pessoas são vítimas da falta do poder público de uma cidade. Não podem ser tratadas dessa maneira. O Poder Legislativo tem responsabilidade sobre isso.
A acho que as áreas atingidas em Niterói em abril do ano passado precisam ser revisitadas porque vários desses moradores voltaram para lá. Não foi feito qualquer trabalho nesses lugares para que hoje as moradias sejam mais seguras.
Meu tempo esgotou e vou concluir. O espaço do 3º BI do 4º Gecam poderia perfeitamente ser utilizado para a construção de casas populares, de moradia para essas pessoas, e não essas pessoas serem abandonadas ali, como estão. Essa é uma questão fundamental, é uma violação dos direitos humanos cometida pelo Poder Público e esta Casa não pode aceitar. A renovação do aluguel social precisa ser feita. O governo do Estado tem responsabilidade sobre isso também, na sua relação com a prefeitura. Não foi renovado esse contrato, para o pagamento do aluguel social, desde janeiro. Isso precisa ser visto e o governo do Estado também tem o seu papel nessa história.
Muito obrigado. Está feito o registro”.
Marcelo Freixo (pronunciamento em plenário – ALERJ – 24/02)

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Abaixo-assinado contra construção de 648 apartamentos em 18 prédios em Camboinhas

Está acontecendo em Camboinhas um abaixo assinado contra a construção dos 648 apartamentos do projeto OASIS.
O intuito do abaixo assinado é de fundamentar o INQUÉRITO CIVIL instaurado pela PROMOTORIA DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DE NITERÓI. 
Os moradores interessados em participar devem se dirigir à sede da SOPRECAM em Camboinhas.


Endereço da SOPRECAM:

Praça Luiz Carlos Gil de Barros Amóra s/nº
(Indo para praia é na primeira praça à esquerda após passar o Camboinhas Mall)
Fones: 2619-1883/2619-5152 





Assine no site abaixo e divulgue!

DENÚNCIAS FEITAS AO MINISTÉRIO PÚBLICO DE NITERÓI NÃO APURADAS

Sr(a)s Jornalistas, segue em anexo denúncias graves  feitas ao Ministério Público em setembro de 2009 por mim, em função das declarações feitas a imprensa pelo Sub-Procurador de Justiça do Estado na época, Dr. Antonio José, cujas matérias em diversos veículos de comunicação seguem em anexo, que se confirmada e omissão e negligência, seria crime de HOMICÌDIO CULPOSO, pois tenho provas dos emails enviados por mim para o Prefeito e o Presidente da EMUSA, sob o título,"RISCO DE MORTE COM DESABAMENTOS, URGENTE!", que enviei para eles nos meses que antecederam a tragédia das chuvas de abril de 2010, sobre 3 locais de Niterói, incluindo o Morro do Bumba, com fotos dos locais em anexo, os quais tenho confirmação de leitura no site oficial da Prefeitura do Presidente da Emusa, Sr. MOCARZEL, o qual tinha acesso, pois na época, eu era Secretário de Integração Comunitária de Niterói, cargo  do qual pedi demissão em 07 de maio de 2010, por discordar totalmente das Políticas adotadas pelo Governo de Niterói para este e outros assuntos, peço encarecidamente a voces que alertem a população sobre o "ALTO RISCO DE UMA NOVA TRAGÉDIA EM NITERÓI,QUE TEM GRANDES CHANCES DE ACONTECER", e por favor cobrem do Ministério Público uma posição e uma ação concreta, pois estas pessoas continuam no Governo, como se nada tivesse acontecido, a população e os locais continuam abandonados pelo Poder Público Municipal.

Abraços, me coloco a disposição para esclarecimentos e comprovações se necessário.

Contatos neste email 
joao.med@uol.com.br e no meu tel. (21) 8852-5082

João Medeiros

Obs: Tenho 55 anos, sou nascido e criado em Niterói, tenho 2 filhos de 18 e 12 anos, nascidos aqui e que vivem aqui, tenho medo que possam fazer alguma maldade comigo ou com eles, pois Mocarzel, alem de poderoso e milionário, é tambem inescrupuloso e do mal. Não tenho inimigos, por isto, se algo de ruim acontecer a mim ou a minha família, o culpado é Mocarzel e sua quadrilha que espolia e maltrata Niterói e seus cidadãos, comprando tudo e todos, mesmo assim não vou desistir nunca de construir uma Niterói melhor para vivermos.

 
Mais imagens do Inquérito civil público contra o Sr Mocarzel, solicitar a este blog por email ou contatar o autor desta matéria com email acima.

ALTO RISCO DE NOVA TRAGÉDIA EM NITERÓI

Boa noite Sr(a)s Jornalistas, o motivo deste email é alertar a população de Niterói, sobre os riscos que a cidade corre com deslizamentos e inundações ainda neste verão, pois como todos sabem, em abril de 2010 tivemos uma chuva muito forte que caiu na cidade e gerou uma tragédia com mais de 160 mortes, e que pode se repetir a qualquer momento, em proporções bem maiores, pois quase nada foi feito pelos Poderes Públicos Municipais, Estaduais e Federais. Hoje 95% das áreas em que houve deslizamentos estão abandonadas, cobertas por mato e lixo, o que agrava mais ainda a situação, as pessoas voltaram para suas casas em áreas de risco, o aluguel social está suspenso desde dezembro de 2010, por irregularidades em sua correta distribuição. Enfim, quero fazer um apelo a imprensa em geral para que dê um alerta sobre a grave situação em que vivem os moradores de Niterói hoje, devido a incompetência de seus governantes, que nem um sistema de alarme foi criado para alertá-los em casos de chuvas fortes.
O DRM-RJ no seu site classificou Niterói como uma das sete cidades do RJ como: mais alto risco de deslizamentos no mapeamento publicado em NOV/DEZ de 2010, entre estas também se encontram Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo, que sofreram esta tragédia agora em janeiro, mesmo com diagnóstico feito pelo DRM-RJ já publicado, o mapa segue em anexo, juntos com algumas das fotos de Niterói logo após a tragédia em abril de 2010 e fotos atuais, mostrando o abandono em que as áreas se encontram, e também documentos enviados ao Ministério Público que até hoje não se pronunciou.
Fiz também um mapeamento no Google Earth baseado em 1500 fotos aéreas que tenho, pois em abril de 2010 eu era Secretário de Integração Comunitária de Niterói, cargo do qual pedi demissão em 07 de maio de 2010, por discordar da política adotada neste e em outros setores da Administração Municipal, pois logo após as chuvas de 5/6 e 7, nos dias 8 e 9 de abril, voei 5 horas de helicóptero com um Fotógrafo e um Geólogo mapeando quase todas as áreas em que ocorreram deslizamentos, que originaram estas 1500 fotos e uma filmagem.     
Sr(a)s Jornalistas, peço encarecidamente por favor que façam um “ALERTA GERAL PARA O RISCO DE UMA NOVA TRAGÉDIA DE MAIORES PROPORÇÕES EM NITERÓI EM CASO DE CHUVAS FORTES, que sem dúvida acontecerão, mais dia menos dia, e cobrem das autoridades ações rápidas, para que este filme não se repita em Niterói.
Abraços em todos, me coloco a disposição para esclarecimentos e acompanhamento a estes locais, para que vejam vocês mesmo o que se pré- anuncia, que Deus nos proteja.
Meu tel. é (21) 8852-5082 ou no email joao.med@uol.com.br
João Medeiros
A NITEROI GERAL, 472 PONTOS DE DESLIZAMENTOS E 64 DE ALAGAMENTOS, MARGEM DE ERRO 10% PARA + OU  -

CENTRO, P. AREIA, I. CONCEICAO, P. CEM REIS, BOA VISTA, S. LOURENCO, FONSECA, L. BARRADAS, ENGENHOCA, BARRETO E VENDA DA CRUZ; 52 PONTOS DE DESABAMENTOS E 18 DE ALAGAMENTOS

BONFIM, RUA COELHO, MORRO DO CEU, JERONIMO AFONSO,RUA CASTRO ALVES, CARAMUJO, SANTA BARBARA - 85 PONTOS DE DESLIZAMENTOS

E. VELHA ITAIPU, MACEIO, PONTE VELHA, ITITIOCA, L BATALHA, SAPE, CANTAGALO, BADU, MURIQUI, V. PROGRESSO, MATAPACA, M PAULA, 65 PONTOS DE DESAB. E 4 DE ALAGAM.

ESTR. FROES, S. FRANCISCO, GROTA, ESTR. CACHOEIRA. P DA CIDADE, CHARITAS, PREVENTORIO E JURUJUBA; 66 PONTOD DESABAMENTOS E 2 PONTOS DE ALAGAMENTO

ICARAI, L DO MARRAO, PE PEQUENO, M TORRES, S ROSA, BELTRAO, VIRADOURO, UNIAO, SOUZA SOARES, VITAL BRASIL E CAVALAO; 46 PONTOS DE DESAB. E 21 PONTOS DE ALAGAM.

TENENTE JARDIM, MORRO DO CASTRO, BALDEADOR, COVA DA ONCA, FIGUEIRA, TEIXEIRA DE FREITAS E RIODADES - 65 PONTOS DE DESLIZAMENTOS

RUA SAO JOSE, CUBANGO E VIÇOSO JARDIM- 50 PONTOS DE DESABAMENTOS

REGIAO OCEANICA DE NITEROI, 23 PONTOS DE DESABAMENTOS E 16 DE ALAGAMENTOS

INGA,CENTRO, SAO DOMINGOS, GRAGOATA, MORROS DO ESTADO, DO PALACIO E DO ARROZ(CHACARA); 20 PONTOS DE DESABAMENTOS E 3 PONTOS DE ALAGAMENTOS

Colcha de retalhos de notícias desvela desapropriação no Jacaré..

Coincidências à parte... coincidências?!
A desapropriação do Sapê é fácil de supor alguns motivos para a escolha da área, conforme já sugeri em algumas matérias neste blog, entre eles dar liquidez a terras 'perdidas' de uns amigos do prefeito, os Cruz Nunes.
Mas a área do Jacaré, um terreno íngreme, com qualidades inapropriadas geológica e  tecnicamente para implantação do Programa Minha Casa Minha VIda, não conseguia imaginar o que tinha por trás.
Hoje faço uma ideia...
Vejam o que concluem a partir de algumas notícias:

  • em 04 de novembro de 2010 em matéria n'OFluminense
"O Ministério Público Estadual (MPE) entrou nesta quinta-feira com ação de improbidade administrativa contra o prefeito Jorge Roberto Silveira (PDT) por falta de transparência na atuação do Conselho Consultivo Municipal. Desde sua criação, em abril do ano passado, a atuação dos “notáveis” é contestada pela sociedade civil organizada. A Promotoria quer, ainda, que o prefeito devolva os mais de R$ 2 milhões pagos em salários ao conselho aos cofres municipais."

http://jornal.ofluminense.com.br/editorias/cidades/ministerio-publico-entra-na-justica-contra-jorge-roberto


Esta lista de 'notáveis' varia conforme a fonte, o Fluminense diz serem 25, o G1 conta 24..e abaixo seguem 23... Suficientes para ilustrar essa colcha de retalhos! 


1- Agnaldo Luiz Lessa Zagne ( Médico e Prof. da UFF)
2- Alexandre dos Reis (ninguém conhece essa criatura). 
3- Carlos Augusto Aguiar Bittencourt Silva, o "Gugu", chefe de um projeto esportivo com idosos que recebe considerável repasse de verbas do governo federal, além de proprietário do Hospital Ortopédico São Lucas de Niterói.
4- Celso Martins Filho (procurador da prefeitura).
5- Cinthya Graber (jornalista).
6- Dalto Roberto Medeiros (Cantor).
7- Gilberto Martins Velloso ( ??? ). 
8- Joaquim Manuel de Sequeira Pinto ( ???). 
9- Joaquim Andrade Neto (Presidente da ADEMI).
10- José Augusto Pereira das Neves (ex-deputado cassado antigo PTB).
11- José Mauricio Linhares Barreto (Ex-deputado do PDT e ex-presidente da CERJ).
12- Leopoldo Silveira Fróes da Cruz (ex-secretario regional de Pendotiba- bairro de Niterói).
13- Luís Jourdan Sant?ana Amora ( dono do jornal niteroiense A Tribuna).
14- Luiz Carlos do Amaral Barros ( ???).
15- Marco Antonio Lira Almeida (presidente da Escola de Samba Unidos do Viradouro(!) e do PTB).
16- Paulo Roberto Medeiros Freitas(???). 
17- Paulo Roberto Silveira Rosa(???). 
18- Roberto Barreto Nolasco (???).
19- Roberto Catarino da Silva ( Presidente de um partido político???).
20- Sebastião Rodrigues Paixão (Presidente do PPS).
21- Wallace Salgado de Oliveira (Dono da Faculdade Universo e irmão do Senador Wellington Salgado- o mineiro de Niterói).
22- Wolney Trindade (Ex-vereador e chefe do PMDB de Niterói/RJ).
23- Zalmirez José da Costa (???)



  • Minha atenção recaiu sobre número 18 da lista, suposto desconhecido  pela autora do blog Questinadora...

  • O Decreto de desapropriação de área no Jacaré datado de 29 de julho de 2010 que declara de utilidade pública uma área de 132.888,20m² - embora o polígono formado pelas coordenadas fornecidas no decreto perfaçam 298.043,18m², mais que o dobro da área...., é notório na região que esta área pertence aos herdeiros do sr. Jorge Nolasco. O mesmo sobrenome? Sim o mesmo. São três os herdeiros, sendo que dois são o sr. Roberto Barreto Nolasco - o notável 18 da lista acima - e o sr Ricardo Barreto Nolasco, dono da Nobilis Construções e Empreendimentos Ltda......

  • Esta mesma empresa é listada na matéria seguinte do G1:

Fraudes em licitações no Rio passam de R$ 20 milhões, diz polícia

Doze empresas estão sendo investigadas, segundo delegado.
Empresas planejavam fraudar obras para Copa e Olimpíadas, diz delegado.

http://g1.globo.com/Noticias/Rio/0,,MUL1366441-5606,00-FRAUDES+EM+LICITACOES+NO+RIO+PASSAM+DE+R+MILHOES+DIZ+POLICIA.html

(..) "Empresas envolvidas
As empresas envolvidas no esquema, segundo a polícia, são: Construtora OCP Ltda; Fiori di Roma Comércio Ltda; Nobilis construções e empreendimentos Ltda; Rocha Costa Engenharia; Souza Dutra engenharia Ltda; Power engenharia Ltda; Copa engenharias; Cone Construções e Engenharia; Imperial Serviços; Assessoria Contábil Consenza; CIC 2007 Projetos; e Jobrasil Construções e Serviços Ltda." (..) 
  • ADEMI premia os melhores de 2010 com a presença do Vice-Prefeito do Rio, Carlos Alberto Vieira Muniz, do chefe de Polícia Civil, Alan Turnowski e do secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, o Destaque Ademi - Prêmio Master Imobiliário 2010 reuniu os melhores do setor ... constando a Nobilis Construções e Empreendimentos... http://ademi.webtexto.com.br/article.php3?id_article=39927
  • Esta empresa presta serviços para  a FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO:
Atos do Presidente 
O Presidente da Fundação Municipal de Educação, no uso de suas atribuições legais e, considerando o que estabelece os incisos VII e VIII do art. 13, do Estatuto da FME, aprovado pelo Decreto n.º 6.178/91, de 28 de agosto de 1991, publicado em 29 de agosto de 1991, 
R E S O L V E:

Termo Aditivo  
Instrumento:  Primeiro Termo Aditivo a Contrato nº 178/2010;  Partes: FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - FME e a NOBILIS CONSTRUÇÕES E EMPREENDIMENTOS;  Objeto: Prorrogação da vigência do Termo de Contrato nº. 178/2010 (E. M. Santos Dumont). Prazo: 90 (noventa) dias a contar de 02/06/2010. Processo nº 210/5244/2009; Fundamento Legal: art. 57, § 1º, Inciso III da Lei 8.666/93; 
Data da Assinatura: 02/06/2010. Omitido na publicação de 22/06/2010 
Instrumento:  Segundo Termo Aditivo a Contrato nº 178/2010;  Partes: FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - FME e a NOBILIS CONSTRUÇÕES E EMPREENDIMENTOS;  Objeto: Prorrogação da vigência do Termo de Contrato nº. 178/2010 (E. M. Santos Dumont). Prazo: 90 (noventa) dias a contar de 01/09/2010. Processo nº 210/5244/2009; Fundamento Legal: art. 57, § 1º, Inciso III da Lei 8.666/93; 
Data da Assinatura: 01/09/2010. Omitido na publicação de 21/09/2010
  • Muitas coisas ainda podem se revelar..quem sabe mais?


Lei da Transparência: Niterói não publica informações das contas públicas em tempo real

n'OGlobo por Luiz Gustavo Schmitt - 
27.2.2011
 Apesar de ter entrado em vigor em maio, a Lei da Transparência, que obriga órgãos públicos de cidades com mais de cem mil habitantes a prestar contas de seus gastos na internet, está longe de ser aplicada na 
íntegra pela Prefeitura de Niterói. Quem descumprir a legislação, que complementa a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), pode sofrer bloqueio de transferências da União e ser alvo de acusações de improbidade administrativa. 

Os sites da Controladoria Geral (www.controladoria.niteroi.rj.gov.br), da Companhia de Limpeza de Niterói (www.clin.rj.gov.br) e da Empresa Municipal de Moradia, Urbanização e Saneamento (www.emusa.niteroi.rj.gov.br) não apresentam a execução orçamentária e financeira em tempo real e têm informações desatualizadas. 
No portal da Controladoria, os empenhos de janeiro e fevereiro de 2011 ainda não estão disponíveis e os de 2010 só estão no ar até julho, assim como as dispensas de licitação.
No site da Clin, ainda não constam dados de 2011. Além disso, o quadro de detalhamento de despesa de 2010 não foi atualizado em dezembro no que diz respeito à receita arrecadada, execução do orçamento e empenhos. Os contratos aditivos e as dispensas de licitação também não apresnetam dados de 2011.
NO site da Câmara (www.camaraniteroi.rj.gov.br), os projetos de lei e a ordem do dia estão no ar. As atas, porém, precisam ser atualizadas. A casa diz que houve uma falha na postagem e que o problema será corrigido.

Para o professor de administração pública da Universidade Federal Fluminense, Claudio Gurgel, a falta das informações revela descaso com o que é público. 

—No dia em que se tiver de fato acesso a esses dados será revelada a eficiência ou a ineficiência da gestão pública.
A Controladoria do município informa em nota que a "LRF é bimestral e a atualização está correta. Quanto aos dados de empenho, houve uma pane no sistema e o problema está sendo sanado. No que se referem a convênios e contratos, eles são disponibilizados quando surgem".
A Clin informa que o seu site está atualizado com o balanço até novembro de 2010 e que o orçamento completo estará disponível após o envio ao Tribunal de Contas do Estado.

Áreas de risco de Niterói não estão mapeadas

n'OGlobo  por Renata Leite - 
26.2.2011
 
A possibilidade de “as águas de março” fecharem o verão já preocupa moradores de Niterói e líderes comunitários. A Defesa Civil do município, no entanto, ainda não concluiu o mapeamento das áreas de risco na cidade nem contabilizou quantas pessoas moram em moradias condenadas pelo próprio órgão. A anunciada instalação de avisos sonoros para antecipar a chegada de temporais nas comunidades só ocorrerá no próximo ano, segundo o secretário da Defesa Civil, coronel Adilson Alves.
Em visita ao Morro do Estado, ao Beltrão e à Garganta, a reportagem flagrou casas sendo reerguidas em encostas que deslizaram durante as chuvas do ano passado e moradias semidestruídas, ainda habitadas. 

Coronel Alves explica ser inviável monitorar as residências condenadas que estão voltando a ser habitadas:
— Não podemos retornar aos locais onde já estivemos porque isso significaria deixar de atender regiões que ainda não foram visitadas. 

A Secretaria municipal de Defesa Civil tem apenas R$ 397 mil de orçamento para 2011. Para Alves, os principais desafios a longo prazo são identificar as casas que precisam ser removidas, reflorestar as áreas e monitorá-las, para que elas não voltem a receber construções.

A matéria completa está no GLOBO-Niterói deste domingo e no GLOBO-Digital(serviço excllusivo para assinantes).