sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Fui ver e recomendo:


Fui à reunião e gostei muito. Por isso indico:

Niterói, Rio de Janeiro, Brasil
No dia 11 de outubro de 2008 foi lançado o Movimento Niterói Como Vamos, que é formado por ex-professores da Universidade Federal Fluminense (UFF) e voluntários e não tem vínculo partidário nem religioso. O objetivo do movimento é mobilizar a sociedade civil para melhorar a qualidade de vida na cidade por meio da participação cidadã e do diálogo com os setores público e privado.
Em Niterói, já aprovaram a Lei do Programa de Metas e acompanham três áreas de indicadores (Sáude, Educação e Meio Ambiente). Ainda, o movimento realizou intensa mobilização da sociedade civil para debate e proposição de um Plano Habitacional para Niterói em função dos desastres das chuvas ocorridos entre 2009 e 2010.
Para mais informações acesse www.niteroicomovamos.net ou mande e-mail para 
atendimento@niteroicomovamos.net

As reuniões são abertas e acontecem quinzenalmente às terças das 19:30 às 22:30. 

É solicitado que comuniquem antecipadamente seu interesse em participar da reunião enviando um email para atendimento@niteroicomovamos.net .


Local: Gragoatá.

Carta de Apresentação Niterói Como Vamos

Nós temos um sonho. O sonho de construirmos cidades mais justas e sustentáveis. Isto não é um devaneio, pois pensamos que com determinação, compromisso, responsabilidade e diálogo, podemos ajudar a construir a cidade que sonhamos.
Nosso movimento tem como princípio que, para sonhar o futuro da cidade, é imprescindível construir espaços de convivência, onde o diálogo entre atores públicos e privados, individuais e coletivos, seja permanente participativo e frutífero na geração de alternativas para a transformação da cidade. Por outro lado, não pretendemos construir espaços de diálogos pautados apenas no consenso e reconhecemos que o conflito e o amplo debate em torno da livre expressão de idéias e projetos constituem também o fundamento de cidades mais justas e sustentáveis.
A cidade que consegue pensar sobre si mesma consegue levar a seus cidadãos a idéia de pertencimento, reforçando o princípio de reconhecermos nossas diferenças, mas também as igualdades, com direitos e deveres compartilhados de conviver no espaço urbano da nossa Niterói. Por isso, dizemos que NITERÓI COMO VAMOS é nosso, não é de um grupo, favorecido ou desfavorecido.
Mas, de nada vale sonhar a cidade sem agir e transformar a própria cidade. Por isso, reforçarmos nosso compromisso com a democracia. Além da livre escolha eleitoral, precisamos exigir cada vez mais dela, ampliando seus horizontes para um convívio urbano marcado pelo engajamento cívico, interesse pelo espaço público, compromisso de assumir e cobrar responsabilidades, tenacidade em exigir transparência e pró-atividade constante na construção da justiça e da sustentabilidade.
Para agir, é preciso conhecer o espaço em que vivemos de todas as formas que a inteligência nos proporciona. Por isso, o movimento procura organizar, sistematizar e publicitar indicadores de gestão urbana que desvelem a cidade; e reconhece como relevantes os saberes comunitários dos indivíduos e grupos da sociedade manifestados em sua vida cotidiana. Precisamos conhecer, através das percepções e das formas de pertencimento, como ajudar a transformar Niterói. A ação efetiva só se dará partilhando sentimentos capazes de dar sentido à nossa vida na cidade e transformar nossa convivência. Os sentimentos que comungamos são de esperança, confiança e capacidade de concretização dos sonhos de uma cidade melhor.
O movimento está sendo constituído de modo participativo e progressivo por indivíduos e organizações interessados no futuro da cidade, capazes de assumir o compromisso inalienável de atuar sem qualquer conotação partidária ou religiosa. Assim, o movimento reconhece como legítimos os diferentes interesses e formas de manifestação no espaço da cidade, mas exige de todos os que se propõem a dialogar, interagir e atuar no movimento que pautem suas ações e posturas, tendo o interesse da cidade acima de qualquer interesse específico, clientelista ou pontual.
Buscamos construir um espaço de governança urbana que coopere e complemente de modo independente o poder do Estado, cobrando as responsabilidades dos diferentes órgãos de governo que atuam em Niterói.
A informação é um bem público, pautada no direito e no dever da transparência. Assim, disponibilizaremos a todos e quaisquer indivíduos e organizações informações e saberes capazes de aprimorar a gestão urbana de Niterói, bem como, reforçamos nosso compromisso em levantar, sistematizar e obter continuamente todas as informações de direito, que permitam compreender, avaliar e reorientar as políticas públicas de Niterói, de forma a torná-las cada vez mais eficazes, eficientes, justas e sustentáveis.
Queremos professar profundo compromisso com o princípio da equidade humana, sem constituir uma instância de disputa de poder pelos participantes. Por isso, convidamos a todos os atores públicos e privados, individuais e coletivos a se engajarem na iniciativa, sem pretender ser uma alternativa única de articulação, representação e ação dos atores que convivem em Niterói.
Assumimos profundo respeito e compromisso com o Estado democrático de direito e buscaremos agir para conquistar e construir novos e melhores espaços de diálogo, monitoramento e auxílio da gestão pública. Também o de realizarmos contínua auto-crítica, de forma a eliminar qualquer forma de governança do movimento que não permita o debate democrático, a tomada de decisões consensuais e horizontalizadas, o revezamento de papéis e o interesse não em fazer para ou ensinar para, mas fazer junto e aprender junto com todos os indivíduos e organizações que convivem e atuam em Niterói, independentemente de seu capital e do seu impacto cultural, social, ambiental, econômico e político.
Somos inspirados por outras iniciativas que se multiplicam pelo mundo e demonstram que nosso sonho não é uma utopia. Por isso, agradecemos aos movimentos que nos apóiam e inspiram, e nos comprometemos a apoiar as iniciativas, quer em Niterói ou em qualquer parte do mundo, que comunguem dos mesmos princípios, busquem alcançar os Objetivos do Milênio e pratiquem os princípios que professamos.
Faça parte deste movimento! DivulgueCadastre-se e participe! Entre em contato!
http://niteroicomovamos.com/
atendimento@niteroicomovamos.net

World Cleanup Day Edição Itacoatiara


Itacoatiara

World Cleanup Day Edição Itacoatiara: O projeto de Educação Ambiental que ocorre no mundo inteiro nesse Sábado também terá sua galera em Itacoatiara: apareça e leve seus amigos - 10hs no Trailer da Elisa (Pampo).http://bit.ly/itacoacleanup ou mais informações: itacoatiara.fb@gmail.com


58664_286071709983_155008559983_1072173_2198612_n.jpg (500×707)

Pela paz e contra as mudanças do clima, Ecosurfi pede praias mais limpas

Pela paz e contra as mudanças do clima, Ecosurfi pede praias mais limpas

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Niterói Como Vamos: Saúde em Niterói tem índices de África e Europa


Globo Niterói - Domingo 12setembro2010
O retrato brasileiro comumente revelado pela grande desigualdade social em todo o país se expressa da mesma forma no município de Niterói. Coletados pelo movimento Niterói Como Vamos, indicadores de saúde até 2008 mostram que há uma larga diferença entre as 12 regiões da cidade. Com foco no grupo materno-infantil, considerado de risco, a pesquisa se baseou em vasta rede de dados, incluindo desde os do Ministério da Saúde aos do Acompanhamento Municipal dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), coordenado por órgãos como o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).
De todos os índices levantados, o que apresenta a maior desigualdade entre as locali-dades é o de mães menores de 20 anos. Em 2007, enquanto na sub-região Praias da Baía 2 (PB 2) — que compreende os bairros de Boa Viagem, Icaraí e Ingá — 54 mulheres jovens (6,6%) deram à luz, na Norte 3 — onde estão os bairros Baldeador, Caramujo, Santa Bárbara e Viçoso Jardim — o número chegou a 101, ou 26,6% do total de mães.

— Em termos sociais, as localidades da Norte 3 têm índices muito ruins. E, naturalmente, a fecundidade é mais forte que na classe média. Isso reflete a falta de acesso à informação — explica Emilia Jesus Ferreiro, que trabalhou como professora de Nutrição da Universidade Federal Fluminense (UFF).
Em relação à taxa de mortalidade infantil, na sub-região PB 2 foram contabilizados cinco óbitos de bebês menores de 1 ano, o que representa uma taxa de 6,2/1.000 NV (a cada mil nascidos vivos). Na Norte 3, a taxa é de 23,7/1.000 NV. Em números totais, a Norte 1 — Cubango, Fonseca, Ilha da Conceição, Santana e São Lourenço — teve o maior registro de óbitos, com 14, mas a taxa foi de 13,3/1.000 NV.
Outras informações estão na íntegra da reportagem no GLOBO-Niterói desse domingo (12/set), estando online só para assinantes.

O que é a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia - Ciência para o Desenvolvimento Sustentável?


A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2010 ocorrerá entre 18 e 24 de outubro de 2010. O tema principal será: “Ciência para o Desenvolvimento Sustentável”. Além de promover atividades as mais diversas de divulgação científica, estimularemos na SNCT 2010 a difusão dos conhecimentos e o debate sobre as estratégias e maneiras de se utilizar os recursos naturais brasileiros e sua rica biodiversidade com sustentabilidade, sempre de forma conjugada com a melhoria das condições sócio-econômicas de sua população.

Existe hoje, no mundo inteiro, uma crescente preocupação em associar crescimento econômico à proteção do meio-ambiente, à preservação da vida no Planeta e à melhoria da qualidade de vida das pessoas. “Ciência para o Desenvolvimento Sustentável” significa fazer com que Ciência e a Tecnologia sejam fatores essenciais para um desenvolvimento com qualidade, que conjugue suas vertentes social, econômica e ambiental.
Além da importância do tema, outras razões justificam a escolha. A 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, que será realizada entre os dias 26 a 28 de maio de 2010, tem como objetivo contribuir para o estabelecimento de uma “Política de Estado para Ciência, Tecnologia e Inovação com vista ao Desenvolvimento Sustentável”. Com isto, a SNCT 2010 possibilitará, com suas ações de popularização da ciência, a criação de uma interface importante da Conferência e de seus resultados com a sociedade brasileira.

 Por outro lado, a Assembléia Geral das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade. A ONU está estimulando todos os países a buscarem aumento da consciência coletiva sobre a importância da biodiversidade, por meio de ações a nível local, regional e internacional; todos os países foram também chamados a apoiar ações nos países em desenvolvimento.

 É importante registrar que as atividades da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia não se restringem ao tema principal, abarcando todos os outros, embora se estimule fortemente a realização de atividades, em cada canto do país, em torno do tema proposto.

Convidamos as instituições de pesquisa e ensino, universidades, Ifets, escolas de todos os níveis, secretarias estaduais e municipais de C&T e de educação, fundações de apoio a pesquisa, órgãos governamentais, espaços científico-culturais, entidades científicas e tecnológicas e da sociedade civil, ONGs, empresas, cientistas, professores, pesquisadores, técnicos, estudantes, comunicadores da ciência e todos os interessados a colocarem a data da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2010 em suas agendas e a iniciarem o processo de sua preparação.

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) , a cada ano tem tido um êxito grande com uma participação crescente de pessoas, instituições de pesquisa e ensino e municípios. Em 2009, foram realizadas cerca de 25.000 atividades, em quase 500 municípios brasileiro.  Esperamos que seja ainda melhor e maior em 2010. Isto dependerá também de sua participação!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Sobre águas e Niterói..


"Conheço o projeto (se refere à Pendotiba) e realmente é um desrespeito com o cidadão niteroiense que terá que arcar com engarrafamentos cada vez maiores e com problemas de racionamento de água. 
Há mais ou menos três anos, quando o COMPERJ estava para sair do papel, participei de uma reunião de moradores e associação de moradores no Colégio Polivalente - CEPAR - Pendotiba, com o presidente da Águas de NIterói. 
Perguntei a ele de onde sairia toda água necessária ao abastecimento de Itaboraí (acréscimo esperado de 180.000 habitantes); para o próprio COMPERJ, para a ampliação da "Schincariol" (é ruim até para grafar) e para a nova população de Niterói. 
Não tinha resposta. Foi evasivo. Disse que poderiam buscar novas fontes - Juturnaíba em Silva Jardim - contra ataquei argumentando que Juturnaíba já estava reservada para a expansão da "Região dos Lagos". 
Mais uma vez, fiquei sem resposta coerente. 
A Águas de Niterói é uma empresa subsidiária da "Les eaux de France". 
Nosso abastecimento se dá pela linha adutora conhecida como Imunana-Laranjal. Essa linha usa o manancial do sistema Guapiaçu-Macacu, que é o mesmo que a CEDAE usa para abastecer o centro de Itaboraí, parte de São Gonçalo, Ilha de Paquetá e a cervejaria. Não estou contando com o uso rural - hortas irrigadas, por exemplo, que também consome muita água. As vazões dos rios dessas bacias são conhecidas e não dão para sustentar esses acréscimos populacionais. 
Fala-se muito que o COMPERJ está formando um corredor ecológico ao longo dos cursos fluviais interligando manchas de mata Atlântica entre áreas de proteção ambiental. Mas esse milhão de árvores que estão sendo plantadas é uma tentativa desesperada de redução do assoreamento dos rios das bacias do Macacu e do Caceribu (que drena toda área de Tanguá e Itaboraí), e uma forma de manutenção dos níveis freáticos ao longo desses cursos. Venho participando desse debate desde 2004, quando houve a primeira reunião na UFF, para discutir o COMPERJ e fico pasmo quando vejo a total insensatez dos nossos governantes. 
O princípio da precaução que deveria nortear todos os estudos de ocupação dos territórios municipais é desprezado por todos os estudiosos que fazem o EIA-RIMA (estudos dos impactos ambientais). 
O do COMPERJ foi feito a toque de caixa e as soluções apresentadas são esdrúxulas: usar água de reúso no ambiente da refinaria; usar água de reúso da Estação de Alegria no Rio de Janeiro, que seria bombeada para o complexo, aduzir água de Juturnaíba, dessalinizar as águas da Guanabara (essa é ótima! Vai ver que o pré-sal já está nos tornando povo igual aos árabes) e por aí vai. Todas as soluções são paliativas. 
A população aumenta e as vazões dos rios diminuem, em função do desmatamento que será promovido para a ocupação humana com a consequente impermeabilização dos solos pelos novos moradores. 
O nosso governante e o presidente da Águas de Niterói são mui amigos e se faltar água na cidade, eles beberão "Perrier". Não é legal????? 
Abraços,
Roney Costa"