sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Projeto Quilombo Solar


Integrar quilombo com comunidades tradicionais + geração de energia solar, formam o signo Quilombo Solar.

Tais conteúdos não se encaixam mais na expressão 'alternativas'. Nem o Quilombo, como espaço alternativo, mas reduto de uma experiência de vida e de uma cultura própria que hoje aglutina pessoas. Comunidades tradicionais trazem na essência a tradição; cultura e história de um povo, um grupo de pessoas, um coletivo, tanto faz o número de integrantes. Energia do Sol... algo mais óbvio que se aproveite esse gerador natural, em um país onde o astro rei incide com toda sua magnitude desde acima do grau zero da linha do Equador até abaixo do Trópico de Capricórnio, quase 40 graus entre essas latitudes, na grande maior parte dos 365 dias anuais? O que há de verdade de alternativo em qualquer um destes termos?..

São esses os ingredientes que se aglutinam no Projeto Quilombo Solar.

Uma capacitação para jovens locais vislumbrarem um futuro 'verde' e limpo, escolhendo manter suas raízes no local, perpetuando laços comunitários e culturais; a captação nos telhados da comunidade da luz do sol convertendo cada raio em energia elétrica para o uso cotidiano, em total harmonia com a rede formal, contribuindo para esta com o excesso não consumido; reforçando ideais de independência, sustentabilidade, proteção ao meio ambiente e vanguardismo ao conceito de tradicional, de comunidade, de preservação.

A possibilidade de concretização desse amálgama é o financiamento coletivo. Uma campanha social onde pessoas colaboram para a realização de um projeto verde de esperança, uma oportunidade além da nova relação mais consciente do uso cotidiano com os interruptores e tomadas; uma campanha que una termos como COMunidade (local), (apoio) COMunitário e (financiamento) COletivo, reforçando ideais que precisam ser deslocados da posição - quase pejorativa - de alternativos e alçar a consistência do normal, do comum, do padrão, convencional e se torne a partir de um sonho, uma realidade.

E o distinto, o discrepante, o fora do normal, restasse ao consumo desenfreado e irresponsável de ainda mais consumo, num circulo vicioso dependente e perverso; às 'comunidades' presas em condomínios iludidos com a segurança da desunião, que não usufruem do potencial de força e união que guardam suas comunidades, suas tradições, suas raízes; e valores tão básicos como a energia solar, o aprendizado conjunto, a manutenção de preservação do meio ambiente e das comunidades tradicionais sejam a oportunidade de realização de um projeto que conta com a cooperação de todos.

  • número de placas por casas - o custo do sistema solar fotovoltaico pequeno, com aproximadamente 6 placas.
  • custo aproximado de placas - Custo do sistema solar fotovoltaico de 1.6kWp - 12 a 15 mil reais.
  • número de jovens a serem capacitados por comunidade - 20 jovens, ao final de dois anos de projeto, 100 a 200 jovens. O ideal mesmo é trazer os jovens de outras comunidades para serem capacitados no Quilombo e depois todos juntos iríamos à comunidade local auxiliar na instalação.
  • kWa - kWp (kilowatt pico) - Conseguindo fazer 25 instalações em comunidades tradicionais, somaremos 40kWp instalados, favorecendo 25 famílias, gerando entre 60% e 100% do consumo das mesmas. Mas, a verba precisa vir de algum lugar, porque o Fundo Municipal para Energias Alternativas é de 400mil reais em 4 anos.
  • Serão beneficiados diretamente: 100 a 200 jovens + 25 famílias. Contando com fator multiplicador, ao menos 5.000 pessoas indiretamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lembre de assinar! Só comentários COM NOME serão postados.
Obrigado por participar!