quarta-feira, 11 de abril de 2012

Projeto duvidoso.. Novo Edifício do Tribunal da Justiça?!



Na reunião ordinária do Conselho Municipal de Política Urbana de Niterói - COMPUR, de 13 de fevereiro último, a presidente e secretária de Urbanismo, sra. Christina Monnerat, de acordo com a ata da reunião, "relata aos conselheiros que a Justiça Federal solicitou aprovação para a construção de um prédio na Av. Amaral Peixoto, no terreno adjacente ao prédio da Caixa Econômica Federal, para uso da própria Justiça".
Alguns conselheiros concordam, outros não; e também sugerem que seja submetido projeto à Câmara Técnica do COMPUR para apreciação e aprová-lo ou não; alguns ainda lembram que é necessário que, antes de qualquer votação, sejam mapeadas as vocações da cidade, evitando assim votar casuísmos e leis independentes.
A presidente por fim, define que solicitará "o projeto, feita a análise do impacto morfológico e, consequentemente, a apreciação da Câmara Técnica do Compur".

Dois meses depois, na reunião do mesmo conselho, em 09 de abril, sem a presença da secretária de Urbanismo, a presidencia do Conselho foi assumida, assim como na reunião do mês anterior, por seu suplente, o sr Emanuel Sader, da Emusa.
Sem quorum suficiente às 19:30, um dos conselheiros, o Sr Moacyr Florido, segundo relato do conselheiro Azevedo, representante do CCOB no Compur, sugere apenas conversarem informalmente sobre o tema da pauta: a ocupação do terreno sugerida em 13 de fevereiro, o pedido do Tribunal de Justiça para apreciação de projeto para ocupação do terreno da av Amaral Peixoto entre o Edifício Sabin e a Caixa Econômica Federal.  
Começam os dois representantes da Justiça Federal presentes a apresentar um croquis do projeto, junto com a arquiteta da prefeitura a sra. Patrícia. Pouco depois do sr Emanuel Sader se ausentar da reunião para telefonar no hall, surge surpreendentemente o subprocurador do município, Dr. Péricles, e fica declarado, pelo então presidente Sr Emanuel Sader, que assim o quorum estava completo!
O croquis sugerido pelos representantes da Justiça compreendia apenas estudo do volume proposto. Apresentando um afastamento de 1,5m em cada lateral assim como nos fundos, 16 pavimentos, como o Ed. Sabin, mais um de garagem no subsolo
Como o edifício Sabin apresenta arquitetura diferenciada na avenida e como já havia sido comentado na reunião de fevereiro, foi sugerido que a fachada lateral do Sabin fosse melhor preservada e valorizada com mais afastamento que apenas o 1,5m proposto. Assim sugeriram 3m na lateral do Ed. Sabin, possibilitando colar na empena da Caixa. Ao que solicitaram, para 'compensar' o dobro do afastamento, que o gabarito, inicial de 16 pavimentos, subisse para 19 andares.
Por 4 votos contra 1 do sr. Azevedo do CCOB, foi aprovada minuta de lei a ser encaminhada à Câmara com máxima urgência para votação dos parâmetros citados.

Cabem algumas reflexões. 
Primeiro, nenhum projeto arquitetônico foi encaminhado à Câmara Técnica do Compur conforme definido na reunião de fevereiro. O que foi apresentado na reunião ordinária desta segunda, foi um estudo do volume do edifício e nenhum projeto arquitetônico onde se pudesse avaliar a compatibilidade estética do mesmo com o referido Sabin, conforme definido anteriormente em fevereiro.
Também soube-se nesta última reunião, que o referido edifício se prestará, não apenas ao Tribunal de Justiça, mas também à Caixa Econômica, que ocupará os andares inferiores com ligação direta ao prédio vizinho existente. Mais uma surpresa..
A votação fez-se solicitando que apenas os conselheiros que fossem contra elevassem suas mãos e que os a favor ficassem como estavam, o que dificulta a apreciação correta de quem dos presentes estava votando o quê..
E o mais incrível, o croquis proposto pela arquiteta da prefeitura Patrícia, quer dizer, pelos representantes da Justiça, sugeria um afastamento de 1,5m de cada lado, o que soma 3m a menos da testada do terreno, e um gabarito de 16 pavimentos semelhante ao existente ao Sabin. Por que, ao se juntar as duas medidas de 1,5m, que correspondem a 3m, para apenas um lado, o que significa que a largura da testada do projeto continua absolutamente A MESMA, por que isso demandaria e justificaria a dita 'compensação' em aumento de pavimentos?!..
O quorum, a pressa, a não obediência ao definido em reuniões anteriores, além do acima exposto, levanta suspeitas.. aí tem truta!
Fiquem alertas!

16 pavimentos

4 comentários:

  1. Fiquei decepcionado com a apresentação do prédio, que foi um caixote de 16 pav. ocupando o último terreno da Amaral Peixoto, ao lado do único prédio lindo e diferente (que foi construido a 40 anos), que é o Sabin. Mais uma vez o TRATOR do prefeito passou sobre o COMPUR com ajuda da maioria dos conselheiros que não tem compromisso com a cidade e indo para a Câmara dos vereadores será aprovado por 16 vereadores, sem ler a mensagem, como é normal.
    Não foi apresentado nada do projeto, apenas um esboço de ocupação (um tijolão) para aprovar o aumento do gabarito acima do permitido pelo PUR/2002 que é de 12 pav.É bem provável que o gabarito deste ESPIGÃO, deve ir acima de 18 pav.Fui o único voto vencido, mas irei ao MPE fazer esta denuncia. Aprovam mais uma lei especifica aumentando os gabaritos, fora do PUR, para beneficiar um interessado, como foram as leis: do Hotel do Ingá, o Forte Rio Branco, a rede hoteleiras em toda a cidade e agora a Justiça Federal/CEF. Cada vez mais a cidade está mutilada e a nossa qualidade de vida está no esgoto, com um verdadeiro caos e inferno no transito, que não tem solução, pois a cidade PAROU e cada dia aumenta os ESPIGÕES e com ele vem a violência e os assaltos com mortes.Mais uma vez fui traído no COMPUR, que infelizmente não visa os interesses das população e sim os interesses de cada conselheiros. Só a sociedade civil organizada pode dar um BASTA nisto e quando votar pense bem não vote em vereadores que tem uma Secretaria Regional para formar o FEUDO e naqueles que votam contra nossos interesses, sendo subserviente ao prefeito. Estou sozinho dentro do COMPUR lutando pelo interesse da coletividade, pois não preciso de votos, nem de projetos, nem de construir prédios e nem emprego na prefeitura, mas NÃO VOU DESISTIR E NEM SAIR DO COMPUR.
    José de Azevedo - Pres. CCOB e conselheiro do COMPUR (com muita vergonha).

    ResponderExcluir
  2. O TRATOR passou por cima do COMPUR. Fui voto vencido e estou com VERGONHA. Foi uma tremenda armação para aprovar uma minuta de lei para aumentar o gabarito deste ESPIGÃO para mais de 18 pav. Não tinha quorum e do nada surge uma alma chapa branca salvadora para reabrir o quorum e a toque de caixa votar e aprovar o que a prefeitura e os representantes da Justiça Federal (não sei os nomes deles e suas funções, mas devem ser profissionais do direito) queriam, ou seja aprovar o aumento do GABARITO que inicialmente eles queriam 16 pav. mas os demais conselheiros foram benevolentes e deram um premio de acima de 18pav.. Não vou desistir e vamos entrar no MP para anular esta reunião macabra, onde a minuta da lei foi feita pela ADEMI e pela Diretora de Urbanismo, Patricia. Apresentaram um caixotão e não tinha projeto algum onde o Ed. Sabin foi mutilado.
    NÃO VOU DESISTIR E NEM SAIR DO COMPUR, pois não preciso de votos, nem de projetos e nem de construir prédios e nem de emprego na prefeitura. FUI VOTO VENCIDO E ME SINTO TRAÍDO MAIS UMA VEZ NO COMPUR.
    José de Azevedo - Presidente do CCOB (com muito orgulho) e conselheiro do COMPUR (COM MUITA VERGONHA). A LUTA CONTINUA!!!!

    ResponderExcluir
  3. Esta é mais uma ‘evacuada’ na cabeça do niteroiense.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns ao CCOB e seus bravos guerreiros. Niterói está se transformando numa cidade Frankenstein devido aos interesses individualistas, mesquinhos e gananciosos de oportunistas que utilizam a prefeitura e câmara de vereadores para negociatas descompromissadas com o interesse coletivo e o bem estar da população.

    ResponderExcluir

Lembre de assinar! Só comentários COM NOME serão postados.
Obrigado por participar!