domingo, 20 de fevereiro de 2011

Comentando o projeto do Bairro Modelo no Sapê

O Fluminense do domingo, 13/02, publicou a matéria: Prefeitura de Niterói lança superprojeto habitacional. 


O Globo deste domingo, dia 20 revela o projeto em si.

Pena que não mostre as 6 glebas a serem desapropriadas para se ter uma noção visual do tamanho das desapropriações e o tamanho do empreendimento. Já que são duas coisas bem distintas...


Algumas perguntas ficam no ar.
Este projeto a PMN esconde da população niteroienses até hoje. Por quê seria?!..
Será interessante analisarmos:
1.O Projeto do Bairro Modelo no Sapê - exibido na reportagem d'O Globo de hoje, que a PMN, através do presidente da EMUSA  Sr. José Carlos Vinagre Mocarzel, e do Secretário de Habitação Sr. Marcos Linhares, afirmaram publicamente em  reunião - filmada - com a Associação de Moradores da Fazendinha e da comunidade do Sapê no dia 28/11/2010 que:
  • que a PMN não tinha o PROJETO DO BAIRRO MODELO;
  • que a PMN não tinha a delimitação das glebas A,B,C desapropriadas no decretos;
  • que a PMN desconhecia os limites das áreas;
  • que os moradores da Fazendinha deviam favorecer o levantamento topográfico da área, deixando os topógrafos da prefeitura medirem suas casas e seu quintais, senão a PMN não conseguiria fazer o levantamento da área.
No entanto na legenda do Projeto, sua data é SETEMBRO de 2010. Torna-se assim evidente que os representantes da PMN mentiram para todo público presente. Ou será que não estavam cientes?!
Que interesse poderia ter a prefeitura em esconder tal dado?.. 
1. O projeto avança sobre enorme área de especial interesse ambiental;
2. O projeto avança inteiramente sobre o Sítio Carvalho Plantas Ltda, destruindo inteiramente um dos poucos locais no município preservado em sua totalidade por uma floresta de Mata Atlântica em estágio secundário de regeneração, e nascentes;
3. O projeto avança sobre inúmeras casas de posseiros que ali habitam há mais de 50 anos.
4. E as desapropriações que serão feitas com dinheiro público, qual o valor envolvido?
5. E os estudos de impacto de vizinhança, quando serão mostrados?
6. Uma creche está localizada na área de alagamento do rio... 
7. Entre outros detalhes, que técnicos do IAB-NLM e outros profissionais poderão também avaliar..

Niterói até hoje não cumpre o que estabelece a Lei Complementar nº 131 - Lei da Transparência, de 27 de maio de 2009, que determina a disponibilização, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Tendo vencido o prazo em maio de 2010. Baseada na lei da transparência a PMN deveria ser a primeira a expor o projeto a técnicos do IAB e outros orgãos afins, assim como aos diretamente interessados e toda população do município que certamente será envolvida por um projeto desta monta. 

Estavam presentes nesta citada reunião ocorrida na escola Levi Carneiro, no Sapê : O sr. José Carlos Mocarzel, sr. Marcos Linhares,  equipe da sra. Rosane  Monteiro, composta por assistentes sociais e arquiteta, e o sr. Carlos Macedo.
Como ouvintes: Diretoria da Associação de moradores da Fazendinha, moradores do Sapê, síndicos de diversos condomínios da região e  Pendotiba assim como comerciantes locais e de Pendotiba. 

6 comentários:

  1. E um descalabro o que a Prefeitura pretende consentir que se faça no Sapé. Com a desculpa que construirá casas para a parcela pobre da população, avança sobre uma área de proteção ambiental, abrindo campo para a especulação imobiliária das áreas contíguas.
    Como se não houvessem muitas outras áreas para fazer construções populares.

    O que iremos fazer para impedir que esse crime se concretize?

    ResponderExcluir
  2. O que vai acontecer com o trânsito da cidade? Serão mais 5 mil pessoas concentradas no Sapê que é - mal - servida por uma única linha de ônibus.. Flavia Y.

    ResponderExcluir
  3. Você paga impostos?
    Onde que você quer vê-los aplicados, investidos?
    Em parte serão usados para pagar uma desapropriação de 1600mil metros quadrados no Sapê... quando o projeto em si é uma pequena parte disso..por que desapropriar tanto?!
    E dando liquidez a terras de grileiros e depois dividindo os lucros... pensou nisso?
    E de habitação popular, desabrigados etc etc etc? necas de pitibiribas! no máximo + uma favela...
    Tô enganado? ok, vamos ver: qual a experiencia que vc tem tido com essa administração da PMN? O que vc vê ela fazendo em prol da cidade, de vc e sua familia?
    Vai ficar quieto (a)?
    De sua opinião.
    Lembre que o Egito derrubou um ditador, nas ruas e na internet!!!
    DesabafosNiteroienses

    ResponderExcluir
  4. Pretendo comentar em partes, pois o assunto é complexo e merece detalhamento:

    1ª parte: A MENTIRA

    Lastimável que tenhamos chegado há uma crise como esta por aqui em Niterói. Onde os representantes do poder público municipal, mentem deslavadamente em público, mesmo sabendo que estão sendo filmados, quero me referir aqui à banalização total da falta de compromisso e respeito com o cidadão.

    Ninguém me contou, estava presente nesta reunião, OUVIMOS MENTIRA O TEMPO TODO!
    Isso é a prática contumaz da MENTIRA.

    Foi um teatro! A matéria deste blog, nomeia os atores, assim como divulga a composição da plateia, da qual eu fazia parte, acho que estão todos citados. Fantástico!

    Que valores são esses que nos rodeiam? Mentira, descaso, cinismo, hipocrisia, corrupção...

    Vivemos, isso por aqui assim, misturados a lambões. Não me surpreendo mais com o
    TAMANHO DA CARA DE PAU que têm ao mentir em público, de fazer inveja a qualquer
    estelionatário. O que me espanta é a banalização, pois nada acontece. Esse nada é muito simbólico, a meu ver!

    Faz-me lembrar das palavras de Cidinha Campos quando aos berros na plenária da Alerj, chamava a todos de CANALHAS!

    Cláudia Crespo.

    ResponderExcluir
  5. Não concordo com esta, iniciativa da prefeitura referente ao bairro modelo do Sapê, sabe por quê? cada pessoa que vive em sua comunidade, tem seus laços, amigos, familiares, é por isso que muitos moradores de comunidade dito, "carente" vendem , trocam , financiam , alugam, seus imóveis de Programa dos Governos , porque a prefeitura, quer escolher determinar, a área onde elas devem morar . Deixando-as sem opção de escolha . Isso é participação Popular?


    Sugestão: Mobilizar as comunidades atingidas e perguntar a elas , o que elas acham dessa idéia. As pessoas não precisam se deslocadas de suas comunidades de origem , basta a prefeitura oferecer uma estrutura melhor , para essas famílias.

    Jaqueline Ribeiro

    ResponderExcluir
  6. Pela importância, o assunto merece discussões e muita tranparência. As pessoas precisam de dignidade para viver, o estado prover isso é importante, mas tudo ter que ser feito de forma transparente, organizada, garantindo a continuidade do que se almeja com o projeto. Neste caso, a questão ambiental é importantíssima. Não há outro local para se construir as habitações onde não haja tanta destruição de nossa floresta? Qual de nossos representantes está realmente se preocupando com essa questão? Sidnea

    ResponderExcluir

Lembre de assinar! Só comentários COM NOME serão postados.
Obrigado por participar!