segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Prefeitura de Niterói fecha portões laterais do Campo de São Bento

DesabafosNiteroienses: 
Hoje, dia 17 estava fechado apenas o portão da Domingues de Sá em frente à rua Lemos Cunha.. Entrei pelo portão da Lopes Trovão eram umas 9h..

No entanto às 21h o portão principal da Av Roberto Silveira já estava fechado!... 
Se o problema são assaltos, por que não aumentam a vigilância??
Tanta 'proteção'.. no entanto  onde estão os responsáveis na hora de impedir que carros estacionem dentro do Campo? Não interessa se são dos diretores ou o quê! - aliás os modelos dos carros variam..!! Donde se conclui que as diretorias - do museu e do P&J - tem muitos carros ou muitos diretores.........
Não podemos permitir que carros estacionem dentro desse espaço público! 
Será que já não basta a balbúrdia matinal que os caminhões do Parques e Jardins fazem para recolher funcionários? Parece que estão no 'quintal de casa' e o público - que é o verdadeiro 'dono' da área, é que tem que se esquivar dos caminhões..
E motos da Prefeitura trafegando pela via principal? Se a moto é do Parque e Jardins, deveria entrar pelo portão lateral da Lopes Trovão e por lá sair e nada de cortar caminho por dentro do Campo!!


n'OFluminense por: Karina Fernandes 16/01/2011
À tarde, dois dos quatro portões de acesso ao parque ficam fechados. Apenas os acessos da Avenida Roberto Silveira e Rua Gavião Peixoto permanecem abertos. População desaprova


Moradores de Icaraí e frequentadores do Campo de São Bento estão revoltados com o fechamento, no período da tarde, de dois dos quatro portões de acesso ao parque. As entradas pelas ruas Lopes Trovão e Domingues de Sá são fechadas e apenas as da Avenida Roberto Silveira e Rua Gavião Peixoto permanecem abertas. Segundo a população, a medida está sendo tomada desde a última quinta-feira pelo secretário de Segurança e Controle Urbano, Wolney Trindade, sem aviso prévio e com a justificativa de “melhorar a segurança no local”. Mas num dos portões abertos, a guarita de segurança está abandonada e com vidros quebrados. Enquanto isso, desavisados que tentam entrar ou sair pelas laterais do parque, inclusive mães com carrinhos de bebês, idosos e cadeirantes, são forçados a voltar e fazer longas caminhadas.
Para a dona de casa Roseane Rodrigues Alves, de 50 anos, foi um susto retornar do banco e encontrar a passagem que utiliza diariamente com cadeado. Ela contou que ligou para o gabinete do secretário e que este confirmou o fechamento dos portões por medida de segurança, o que não impede que jovens pulem as grades e entrem no parque sem serem importunados por guardas municipais.
“Isso é uma coisa que não tem lógica. Ontem (quinta-feira) pensei que estivesse fechado devido às fortes chuvas, mas hoje (sexta-feira) o fato se repetiu e fiquei espantada. Quando entrei em contato com o secretário, ele me disse que era uma medida de segurança e que não iria voltar atrás”, explicou, revelando que costuma ver apenas três servidores patrulhando toda a extensão do campo.
Morador do bairro e ex-presidente do Conselho de Segurança de Niterói, o advogado Marcelo Pessoa, de 36, disse não entender o porquê do fechamento do portão e em que isso melhoraria na questão de segurança.
“Isso é um absurdo! Costumo usar esse portão todos os dias para trazer meu filho para andar de bicicleta. Levei um susto quando cheguei e me deparei com a situação”, declarou.
Residindo do bairro há 30 anos, a professora Therezinha Carrano Fernandes, de 79, também reclamou.
“Isso é muito desagradável, pois não fomos avisados desta atitude. Ao invés de fecharem os portões, deveriam colocar mais guardas municipais no interior do parque”, queixou-se.
Assaltada no interior do campo há cerca de 2 meses, a doméstica Solange Pereira de Melo, de 45, discorda do fechamento. Segundo ela, dois menores, armados com facas, levaram todo o seu salário do mês (R$ 380).
“O fechamento do portão não vai evitar que sejamos assaltados aqui dentro. O governo tem é que colocar policiamento”, protestou.
O securitário Paulo Carelli, de 79, também protestou. “É terrível ter que dar esta volta toda. Se fosse um horário mais tarde eu concordaria, mas às 17 horas é um absurdo. Estamos sem governantes mesmo”, indignou-se.
O comandante do 12º BPM (Niterói), tenente-coronel Paulo Henrique Azevedo de Moraes, disse não ter registro de aumento da criminalidade no local e que não foi procurado pelo secretário para solicitar reforço no policiamento devido a qualquer ocorrência.
Pelo telefone, o secretário demonstrou duvidar das reclamações e disse que não se pronunciaria no momento sobre o assunto.


O FLUMINENSE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lembre de assinar! Só comentários COM NOME serão postados.
Obrigado por participar!