sábado, 15 de janeiro de 2011

Atitudes simples fazem diferença

n'OGLobo por Renata Leite - 
15.01.2011

Duas latas de lixo bastam para inserir um hábito ecologicamente correto na rotina: a separação do lixo. Resíduos secos, ou seja, recicláveis, para um lado; resíduos molhados, os alimentos, para o outro. Parece simples... e é, dizem niteroienses que fazem sua parte para diminuir a quantidade de lixo jogado, diariamente, em aterros, lixões, encostas e rios. 

Se em muitos países europeus, mais da metade do lixo é separado entre orgânicos e inorgânicos antes do descarte final, esse número não chega a 3% no Brasil, segundo ONGs ligadas ao meio ambiente. Falta adesão de muitos empresários e cidadãos para que a questão avance no país.

— As pessoas consideram um desconforto. Reclamam quando encontram lixo na praia, mas nem sempre assumem a responsabilidade individual. Se você não faz a sua parte, como vai cobrar do coletivo? — questiona Axel Grael, que separa o lixo em sua casa há mais de 25 anos.
Integrante da famosa família niteroiense de velejadores, Axel diz que o lixo é uma dor de cabeça para qualquer adepto do esporte. Embalagens que costumam flutuar na Baía de Guanabara prendem nas embarcações, causando transtornos para quem deseja deslizar sobre as águas.
Saiba o que outros Niteroienses estão fazendo para minimizar os impactos do lixo no meio ambiente e embarque nessa onda verde. A matéria completa está no especial publicado pelo GLOBO-Niterói neste domingo e no GLOBO-Digital (serviço exclusivo para assinantes).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lembre de assinar! Só comentários COM NOME serão postados.
Obrigado por participar!